Fábio Lázaro*
17/07/2020
08:08
Santos (SP)

Com a volta de Copete, o Santos tem à disposição os seus dois maiores artilheiros estrangeiros na história: o colombiano, com 26 gols marcados com a camisa santista, e o meia uruguaio Carlos Sánchez, que foi às redes 24 vezes pelo Peixe.

Após breves passagens por empréstimo por Pachuca, do México, e Everton, do Chile, Copete retornou ao Alvinegro Praiano nos últimos dias. A princípio, ele não faz parte dos planos da comissão técnica, mas o jogador, em nota publicada em suas redes sociais nesta quinta-feira, reafirmou o seu carinho pelo Santos e garantiu emprenho nas sessões de treinamentos, que inicialmente devem ser em conjunto com o time B.

No entanto, o colombiano tem contrato com o Peixe até o dia 31 de junho de 2021, e caso a comissão decida reintegrá-lo ao time principal será mais uma oportunidade para que os dois estrangeiros com mais gols marcados pelo Alvinegro Praiano voltem a jogar juntos.

Copete e Sanchez
Copete e Sánchez durante treino antigo (Foto: Ivan Storti/Santos)

Números da dupla

Jonathan Copete chegou ao Santos no segundo semestre de 2016, já Carlos Sánchez foi contratado dois anos depois. A dupla jogou junta 16 vezes, sendo oito como titulares e três durante 90 minutos. No total, foram 811 minutos com os dois em campo. Nunca os dois marcaram gols na mesma partida enquanto os dois estiveram em campo, mas em oito oportunidades pelo menos um deles balançou as redes atuando com o companheiro, em seis ocasiões Sánchez e em duas Copete.

Os dois jogadores também estão na lista dos dez estrangeiros com mais partidas disputadas pelo Peixe, sendo Copete o quarto colocado, com 136, e Sánchez o sexto, com 87. O zagueiro argentino Ramos Delgado, que jogou pelo Santos entre 1967 e 1973, lidera a lista com 318 jogos.

Se tirarmos a média de gols de Copete e Sánchez com a camisa santista, o colombiano balança as redes uma vez a cada cinco partidas o uruguaio marca um gol a cada quatro jogos. O Santos terá entre 46 e 63 jogos nesta temporada, supondo que os dois jogadores atuem em todas as oportunidades e mantenha as suas médias de gols no tempo e que atuaram pelo Peixe, o atacante balançaria a rede entre nove e 12 vezes, enquanto o meia faria entre 11 e 15 gols, com Sánchez empatando com Copete ou o ultrapassando por um gol.

* Sob supervisão de Vinícius Perazzini