Vinícius Faustini
04/04/2019
21:21
Goiânia (GO)

A opção do Santos por escalar uma equipe mista na Copa do Brasil provocou consequências. Penando com a falta de entrosamento e, em especial, a inferioridade numérica após a expulsão de Gustavo Henrique no início do segundo tempo, o Peixe foi derrotado por 1 a 0 pelo Atlético-GO. A partida aconteceu no  Estádio Antônio Accioly, em Goiânia, pela ida da terceira fase da Copa do Brasil. 

Com o revés, a equipe de Jorge Sampaoli precisa de triunfo por dois ou mais gols na Vila Belmiro, em duelo na próxima quinta-feira, para garantir diretamente sua vaga à próxima fase da competição. Caso triunfe por um de vantagem, a definição será nos pênaltis. Ao Dragão, basta o empate para avançar no torneio. 

Está desafinando...
Com um time misto, mesmo mostrando maior ímpeto, o desentrosamento atrapalhava as investidas do Santos com Rodrygo e Soteldo. Somente aos 15, Victor Ferraz encontrou Cueva, que ajeitou na intermediária, mas errou feio na finalização. Além disso, o Dragão era traiçoeiro: Éverson fez intervenções em duas conclusões de Pedro Raul.

Por um triz!
Aos poucos, o Peixe achou brechas para levar perigo. Válvula de escape da equipe, Rodrygo cruzou da linha de fundo e Eduardo Sasha se esticou, mas não alcançou a bola. Logo depois, Soteldo abriu para Cueva, que fez o goleiro Kozlinszki se desdobrar para salvar. Mas a defesa continuava a trazer calafrios: Pedro Raul desviou cruzamento e teve o grito de gol abafado por Éverson. No último lance, Jorge esteve à beira de ter um cartão de visitas consagrador: o camisa 3 passou como quis pela marcação, entrou na área e tocou na saída do goleiro, mas Moraes salvou em cima da linha.

Haja coração!
O cenário da etapa final foi de tensão para o Santos. Matheuzinho esticou a Mike, que carimbou a trave. E aos sete minutos, a rota do jogo mudou: Gustavo Henrique recebeu seu segundo amarelo e deixou a equipe com um a menos. O Peixe até assustou quando uma finalização de Eduardo Sasha foi travada providencialmente por Lucas Rocha. Contudo, os donos da casa, que passaram a ter um trio ofensivo, foram à frente. Jonathan finalizou e, após desvio na zaga, a bola raspou a trave de Éverson.

E saiu barato
Vendo que o Santos não conseguia arrefecer os ânimos, o Dragão aumentou a intensidade da sua pressão. Matheuzinho finalizou rente à trave. Moraes cruzou rasteiro e, totalmente livre, Pedro Raul furou na marca do pênalti. De tanto pressionar, o Atlético-GO soltou o grito de gol. Jonathan alçou da esquerda e, em meio à zaga, Jorginho surgiu para estufar a rede: 1 a 0. Desnorteado, o Peixe foi para o contra-ataque e viu Reginaldo servir Pedro Raul, mas o atacante se embolou com Gilsinho na hora de concluir. Cabe à equipe santista mostrar sua força na Vila Belmiro, mas ciente de que não passou no teste às vésperas da semifinal do Paulista.

Antes disso, na segunda-feira o Peixe terá outra definição em condições semelhantes. A equipe faz o clássico contra o Corinthians, no Pacaembu, como mandante por uma vaga na final do Paulista. Como perdeu por 2 a 1 em Itaquera, precisa fazer ao menos dois de diferença para obter a classificação. Triunfo por diferença mínima provocará penalidades. 

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-GO 1 x 0 SANTOS

Data-Hora
: 04-04-19 - 19h15
Estádio: Antônio Accioly, em Goiânia (GO)
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR) Nota L!: 4,5 - Omitiu-se em algumas faltas e cometeu um erro crasso em impedimento marcado do Atlético-GO, seguindo o bandeira. Acertou na expulsão de Gustavo Henrique.
Assistentes: Luciano Roggenbaum (PR) e Rafael Trombeta (PR)
Público/Renda: 9.556 pagantes (10.525 presentes) / 212.185,00

Cartões amarelos: Moraes, Lucas Rocha e Gilvan (AGO), Gustavo Henrique, Cueva e Soteldo (SAN)

Cartão vermelho: Gustavo Henrique, 7, 2º T (SAN)

Gol: Jorginho, 36, 2º T (1-0)

ATLÉTICO-GO: Kozlinsky; Jonathan, Lucas Rocha, Gilvan e Moraes (Reginaldo, 36, 2º T); Washington (André Luís, 12, 2º T), Pedro Bambu e Jorginho; Matheus, Mike (Gilsinho, 26, 2º T) e Pedro Raul. Técnico: Wagner Lopes

SANTOS: Éverson; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Jorge; Yuri Lima (Alison, 12, 2º T), Jean Lucas e Cueva (Derlis González, 36, 2º T); Eduardo Sasha, Rodrygo (Luiz Felipe, 8, 2º T) e Soteldo. Técnico: Jorge Sampaoli.