Vinícius Eutrópio

Vinícius Eutrópio comandou o Bolívar na Copa Libertadores de 2018 (Arquivo pessoal)

LANCE!/NOSSO PALESTRA
15/09/2020
08:00
São Paulo-SP

A Copa Libertadores recomeça para o Palmeiras nesta quarta-feira, às 21h30, (horário de Brasília) contra o Bolívar, na altitude de La Paz, com mais de 3.600 metros acima do nível do mar.

A altitude é um fator determinante para os donos da casa e Vinícius Eutrópio, técnico brasileiro que trabalhou no clube há dois anos, detalhou ao LANCE!/NOSSO PALESTRA a maneira como os bolivianos atuam.

- O Palmeiras precisa ficar atento porque lá se joga pressionando o tempo todo e com muito cruzamento. Finaliza-se demais por conta do ar e há inversões de bola a todo instante - diz Vinícius.

A formação da equipe do Bolívar também é levada em conta quando se joga em casa, especialmente em partidas de competições continentais.

- Para você ter uma ideia, eu jogava no 4-1-5. Marcando alto e com muita intensidade. Quem não está acostumado com a altitude sofre muito. Era uma maneira de aproveitar – recorda o treinador.

Técnico da La Academia na Libertadores de 2018, Vinícius foi eliminado na fase de grupos no saldo de gols. A chave tinha Colo-Colo, Atlético Nacional e Delfín, do Equador. Nos três jogos na altitude o Bolívar finalizou incríveis 65 vezes.

- Peguei uma chave com dois campeões e demos trabalho. Ajudei o Bolívar a marcar o primeiro ponto da história no Equador e o time se classificou para a Copa Sul-Americana. O Colo-Colo, por exemplo, eliminou o Corinthians e só foi eliminado nas quartas de final para o próprio Palmeiras.

O que pode contar a favor do time de Vanderlei Luxemburgo é o fato do Bolívar não atuar desde 14 de março, quando jogou pela competição local contra o Jorge Wilstermann e empatou em casa por 1 a 1. O clube tentou fazer dois amistosos contra o mesmo adversário, porém eles não aconteceram.