Roger Machado e Maurício Galiotte

Roger Machado e Maurício Galiotte conversam durante treino do Palmeiras, na Academia (Foto: Cesar Greco)

Thiago Ferri
12/07/2018
08:00
São Paulo (SP)

A novela envolvendo a permanência de Dudu é mais uma parte do trabalho que o Palmeiras tem feito nesta janela de transferências para não sofrer um desmanche. Antes da procura do Shandong Luneng (CHN) pelo camisa 7, a diretoria foi procurada por outros jogadores que atuam com frequência.

Antônio Carlos, Moisés, Lucas Lima e Willian geraram interesse de mercados do exterior, mas as partes não quiseram avançar nas conversas. Após as vendas de Tchê Tchê, Keno e Fernando, além da dificuldade para contratar, a cúpula considera que perder jogadores como esses colocaria em risco os planos para o segundo semestre, com Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores a disputar.

Dos três negociados, o volante já era reserva, e a comissão técnica considera que Jean pode preencher este espaço após recuperar-se de uma cirurgia no joelho. Fernando, que era do sub-20 e treinava com os profissionais, abriu espaço nos treinos para Yan, também da base, e Vitinho, que voltou do período de empréstimo do Barcelona B, da Espanha.

A ausência mais sentida é a de Keno. A negociação ocorreu por ser um valor considerado elevado para um jogador de 28 anos (quase R$ 38 milhões), além do desejo do atacante de aceitar uma oferta melhor financeiramente. O camisa 11 era titular de Roger Machado no primeiro semestre, e Gustavo Scarpa, após o litígio com o Fluminense, voltou podendo preencher esta vaga.

Perder Dudu agora encurtaria ainda mais as opções de ataque, que já são escassas. O camisa 7 é um dos atletas mais importantes do grupo, e a diretoria considera que precisaria contratar alguém de nome para sua vaga. Na Série A, os principais atletas já atingiram o número limite de jogos para transferência; os que estão na Libertadores não poderiam atuar pelo Verdão no mesmo campeonato, e na Europa e Ásia é difícil competir com salários por conta da recente alta do dólar e do euro.

Roger, além disso, pensou durante a intertemporada na América Central em um novo esquema, com três meio-campistas, dando liberdade justamente a Dudu. Esta é uma novidade que o Palmeiras espera implementar após a Copa do Mundo, e o atacante consequentemente é peça importante.

O elenco atualmente conta com 28 atletas, já sem contar Emerson Santos, que será emprestado ao América-MG. A expectativa é de que esta seja a base para o restante do ano, a menos que o Verdão encontre uma "oportunidade de mercado", que por enquanto não apareceu.