Pellicciari

Por sua história no clube, Pellicciari ganhou praça com seu nome (Foto: Acervo Histórico/Palmeiras)

LANCE!
24/08/2020
12:43
São Paulo (SP)

Depois de vencer o clássico contra o Santos, no último domingo, o Palmeiras relembrou nesta segunda-feira pela manhã outro triunfo sobre um rival paulista: os 4 a 0 em cima do Corinthians, pelo Campeonato Paulista, há exatos 90 anos. Um dos gols foi marcado pelo estreante Romeu Pellicciari, que tornou-se ídolo e, neste ano, foi homenageado em São Paulo.

Por meio do decreto 59.517, publicado em 8 de junho de 2020, a Prefeitura de São Paulo nomeou de Romeu Pellicciari uma praça construída entre o Allianz Parque e a Academia de Futebol, no bairro Água Santa, na zona oeste da cidade. Também chamado de “Príncipe”, Romeu estreou no dia 24 de agosto de 1930 e marcou um tento contra o Alvinegro. O placar foi completado por Serafini, Ministrinho e Heitor. Na época, o Verdão ainda tinha o nome de Palestra Itália.

O começo de Romeu Pellicciari na equipe foi arrasador. Levando em conta apenas competições oficiais, foram 19 vitórias e cinco empates em suas primeiras 24 partidas com a camisa alviverde. A primeira derrota aconteceu no dia 28 de junho de 1931, contra o Santos, na Vila Belmiro. O troco veio depois, em 32, quando ele estava presente no 8 a 0 em cima do Peixe, com direito a título estadual. Na ocasião, ele foi artilheiro com 18 gols – contra o Corinthians, ele também estava no 8 a 0 histórico e “ajudou” ao balançar as redes em quatro oportunidades naquele Dérbi, em 1933.

Após sete temporadas no Fluminense, voltou ao Alviverde em 42 e participou da Arrancada Heroica. No total, foram 161 partidas, com 109 vitórias, 24 empates e 28 derrotas, com 108 gols anotados. Faleceu em 15 de junho de 1971, aos 60 anos.

Confira abaixo outros ídolos palestrinos que já foram homenageados com nomes de logradouros na cidade de São Paulo:

Zona Norte
Rua Pedro Sernagiotto (Parque São Domingos): mais conhecido pelo apelido Ministrinho, o ponta-esquerda teve três passagens pelo Verdão entre as décadas de 1920 e 1940.

Rua Amílcar Barbuy (Parque São Domingos): atacante e meio-campista, atuou pelo Palestra Italia de 1924 a 1930, sagrando-se campeão paulista em 1926 e 1927.

Zona Oeste
Viaduto Oberdan Cattani (Perdizes): goleiro brasileiro da década de 1940, conquistou quatro Paulistas (1942, 1944, 1947 e 1950), um Rio-São Paulo (1951) e um Mundial (1951) pelo Alviverde.

Praça Armando Del Debbio (Lapa): técnico do Palmeiras na Arrancada Heroica de 1942, teve duas passagens pelo clube, de 1942 a 1944 e em 1945.

Zona Leste
Avenida Luiz Imparato (Ermelino Matarazzo): um dos quatro irmãos Imparato que atuaram pelo Alviverde, o ponta-esquerda ajudou o Alviverde a faturar os estaduais de 1932, 1933, 1934 e 1936.

Rua Oswaldo Brandão (Itaquera): atrás apenas de Luxemburgo, é o segundo técnico com mais títulos pelo Palmeiras. Ganhou os Brasileiros de 1960, 1972 e 1973 e os Paulistas de 1947, 1959, 1972 e 1974.

Praça Júlio Botelho (Penha): um dos maiores pontas da história do Brasil, ajudou o Palmeiras a ganhar o Brasileiro de 1960, o Rio-São Paulo de 1965 e os Paulistas de 1959 e 1963.

Rua Eduardo Lima (Chácara Mafalda): além do título mundial de 1951, Lima conquistou pela equipe também cinco Paulistas (1940, 1942, 1944, 1947 e 1950) e um Rio-São Paulo (1951).

Zona Sul
Praça Waldemar Fiume (Jardim das Palmeiras): campeão mundial em 1951, o Pai da Bola faturou ainda quatro Paulistas (1942, 1944, 1947 e 1950) e um Rio-São Paulo (1951) pelo único time de sua carreira.

Praça José Del Nero (Vila Olímpia): o meio-campista, apelidado de Puro Sangue, colecionou quatro taças estaduais (1936, 1940, 1942 e 1944) com a camisa palmeirense.