Brasil x Canada - Futebol Feminino

Marta lutou para levar a equipe à frente, mas equipe não saiu do zero (Sam Robles / CBF)

Vinícius Faustini
30/07/2021
08:05
Miyagi (JAP)

O sonho do ouro da Seleção Brasileira Feminina de futebol acabou na marca do pênalti. Após um oscilante desempenho no acirrado empate por 0 a 0 com o Canadá, que persistiu tanto no tempo normal quanto na prorrogação, a equipe de Pia Sundhage foi derrotada por 4 a 3 nos pênaltis e saiu nas quartas de final dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A goleira Labbé se tornou a heroína canadense, ao defender as cobranças de Andressa Alves e Rafaelle.

As canadenses agora esperam a vencedora do confronto entre Holanda e Estados Unidos, que acontece nesta sexta-feira, às 8h (de Brasília).

MUITA PRESSÃO, SÓ QUE AS CHANCES...

A opção por pressionar a saída de bola adversária deu margem para a Seleção Feminina avançar. Porém, por mais que rondasse a área do Canadá, a equipe de Pia Sundhage se atrapalhava ao concluir os ataques e tinha poucas chances. Debinha recebeu passe e tentou duas vezes, mas foi travada pela zaga. Logo depois, Tamires rompeu pela esquerda, esticou até Marta e, após a camisa 10 desvencilhar-se de uma zagueira, a lateral brasileira mandou uma bomba rente ao travessão.

CANADÁ ACIRRA O JOGO

Aos poucos, o Canadá encontrou caminhos para levar perigo. Destaque da equipe de Bev Priestman no primeiro tempo, Lawrence avançou como quis pela direita e seu cruzamento encontrou Sinclair livre. A camisa 12, porém, dominou a bola de joelho, o que facilitou a defesa de Bárbara. Com um desencaixe no meio de campo, as Guerreiras ainda passaram por outras agruras. Em seguida, Fleming deu chute rasteira da entrada da área e a bola passou rente à trave. Em novo lançamento, Beckie encontrou espaço nas costas de Rafaelle, só que se atrapalhou ao finalizar.

É PÊNALTI OU IMPEDIMENTO?

Aos trancos e barrancos, a Seleção reencontrou espaços e teve esperança quando Formiga lançou para Duda, que caiu em uma dividida. A árbitra Stephanie Frappart marcou pênalti e a assistente apontou impedimento. Na revisão no VAR, foi confirmada a posição legal da brasileira e o pênalti foi anulado.  

COMO PERDE UMA DESSAS?

O grito de gol brasileiro ficou preso no finzinho do primeiro tempo. Gilles dormiu no ponto e abriu caminho para Debinha avançar na área. A camisa 9, porém, teve sua conclusão abafada por Labbé.

SUSTO 

As comandadas de Pia Sundhage tiveram uma volta de intervalo promissora. Andressinha arriscou da intermediária e obrigou Labbé a encaixar. Em seguida, Rafaelle tentou escorar cobrança de escanteio, só que parou nas mãos da goleira.  No entanto, o Canadá aproveitava a oscilação no meio de campo e apostava no ímpeto de Prince e Sinclair. Após falta alçada para a área brasileira, Gilles subiu mais do que Bruna Benites e viu sua cabeçada carimbar o travessão. 

NADA DE DESAFOGAR

Com a entrada de Angelina para ajudar a distribuir jogadas e de Ludmila para jogar pelas pontas, a pressão brasileira se acentuou. Debinha driblou uma adversária e bateu cruzado, obrigando Labbé a se esticar para salvar. Marta cobrou falta traiçoeira e Labbé bateu roupa, mas nenhuma jogadora aproveitou o rebote.

À medida que a reta final ia chegando, as duas seleções se lançavam mais para o ataque. Bárbara saiu da área e evitou que Beckie concluísse. Rose desceu pela esquerda e teve sua conclusão travada no limite por Érika. Em seguida, Rafaelle cortou cruzamento traiçoeiro de Lawrence.

O Brasil, por sua vez, continuava incansável. Ludmila cruzou, só que Debinha chegou atrasada. Depois, um lançamento milimétrico de Érika abriu espaço para Ludmila. A atacante chutou, mas, após um carrinho de Gilles, a bola ficou com Labbé. No último ato dos 90 minutos, Bárbara evitou tentativa de Lawrence.  

LUTA CONTRA O CANSAÇO

A exaustão tomou conta da prorrogação. O Canadá depositava as fichas em Rose, que tentou finalização de calcanhar mas pegou mal na bola. Além disso, Gilles e Beckie levaram calafrios a Bárbara. Já a equipe de Pia Sundhage recorria a lançamentos para Ludmila. Após passe de Tamires, a camisa 12 desvencilhou-se da marcação canadense e tentou o passe para Debinha, mas foi travada por Labbé. 

O EMPATE PERSISTE

A volta após o intervalo trouxe calafrios para as Guerreiras do Brasil. Leon passou pela marcação e finalizou para fora. No limite, a equipe brasileira achou espaços para arriscar. Andressa Alves bateu e foi travada pela zaga. Em seguida, a camisa 21 serviu e Debinha mandou rente á trave. Em seguida, Labbé se atrapalhou em uma dividida com Ludmila e Debinha tomou a bola. A atacante finalizou e a bola explodiu na defesa. Em bola alçada para a área, Érika cabeceou com precisão e parou em Labbé. 

LABBÉ FRUSTRA O SONHO BRASILEIRO

A disputa de pênaltis começou promissora para a Seleção Brasileira, com Bárbara defendendo pênalti de Sinclair. Em seguida, Marta, Debinha e Érika marcaram para as brasileiras. Fleming, Lawrence e Leon tinham marcado para o Canadá.

No entanto, a Seleção se frustrou na marca do pênalti. Andressa Alves cobrou à meia altura e permitiu a defesa de Labbé. Gilles deixou as canadenses em vantagem. Rafaelle partiu para a última cobrança brasileira e, novamente, a goleira do Canadá brilhou. O sonho das Guerreiras chega ao fim, em um jogo muito oscilante e que acaba com muita sensação de frustração. Agora, é seguir trabalhando!

VEJA O QUADRO DE MEDALHAS DOS JOGOS OLÍMPICOS

FICHA TÉCNICA

CANADÁ 0x0 BRASIL

(4x3, nos pênaltis)

Data-Hora: 30-07-21 - 5h (de Brasília) - (17h no horário local)
Estádio: Miyagi Stadium, em Miyagi (JAP)
​Árbitra: Stephanie Frappart (FRA)
Assistentes: Manuela Nicolosi (FRA) e Michelle O'Neill (FRA)
VAR: Bibiana Steinhaus-Webb (ALE)

Cartão amarelo: Lawrence, Riviere (CAN), Duda, Ludmila (BRA)

Nos pênaltis: Fleming, Lawrence, Leon, Gilles marcaram para o Canadá, Marta, Debinha e Érika marcaram para a Seleção Brasileira. Sinclair desperdiçou para o Canadá, Andressa Alves e Rafaelle erraram pênaltis do Brasil.

CANADÁ: Stephanie Labbé; Ashley Lawrence, Vanessa Gilles, Kadeisha Buchanan e Allysha Chapman (Riviere, 2/2T); Desiree Scott, Jessie Fleming, Quinn (Grosso, 17/2T) e Christine Sinclair; Janine Beckie (Adriana Leon, 16/1TP) e Nichelle Prince (Rose, 17/2T) (Huiteman, 8/2TP). Técnica: Bev Priestman

BRASIL: Bárbara; Bruna Benites, Érika, Rafaelle e Tamires; Formiga (Angelina, 27/2T), Andressinha, Duda (Andressa Alves, 11/1TP), Marta, Bia Zaneratto (Ludmila, 13/2T) e Debinha. Técnica: Pia Sundhage