Daniel Rangel faturou o prêmio de Onda do Ano no masculino (Foto: Divulgação)

Daniel Rangel faturou o prêmio de Onda do Ano no masculino (Foto: Divulgação)

LANCE!
11/04/2022
15:27
Rio de Janeiro (RJ)

Considerado pela mídia especializada como o Oscar do surfe nacional, o Prêmio Brasileiro Ocyan de Ondas Grandes anunciou no último domingo, em cerimônia no Rio de Janeiro, os grandes campeões da temporada de 2022. Ao todo, oito categorias (Bodysurf, Kitesurf, Bodyboard Feminino, Bodyboard Masculino, Wipeout – Tombo – do Ano, Maior Onda do Ano, Onda do Ano Feminina e Onda do Ano Masculina) foram premiadas.

O evento, que distribuiu mais de R$ 55 mil em dinheiro, contou com as presenças de vários nomes de peso da modalidade, tais como Carlos Burle, Rico de Souza e Pedro Calado. 

Em sua quarta edição, o torneio fechou o ano com o seu recorde de inscrições: foram 448 ondas de seis estados brasileiros (Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Pernambuco, Santa Catarina e São Paulo).

Outra marca importante para a competição foi uma maior participação de mulheres nesta temporada, com mais de 75 ondas inscritas pelo público feminino, entre os 144 surfistas profissionais e amadores.

Entre os estados, o Espírito Santo, com a impressionante 'Avalanche', recebeu dez indicações. O fenômeno rendeu imagens sensacionais e ficou em primeiro lugar em duas categorias: Onda do Ano Masculina e Melhor Onda de Bodyboard Masculino.

Em Itacoatiara, em Niterói, as ondas tiveram o segundo maior destaque na premiação, levando nas categorias Maior Onda do Ano, Bodyboard Feminino e Maior Vaca.

O ponto principal da noite foi a disputa acirrada pelo primeiro lugar na categoria Onda do Ano (masculina e feminina). Entre os homens, quem ficou com o primeiro lugar foi Daniel Rangel.

- Esse surfe de onda grande não é individual, é excelente trabalho em equipe de para que tudo saia bem no final - destacou o vencedor.

Já entre as mulheres, a número 1 foi Michelle des Boullions.

- Esse prêmio é para todas as mulheres. Acreditem nos seus sonhos, pois tudo é possível e estamos aqui para quebrar barreiras - disse a atleta, que foi homenageada pela organização do evento com a criação de uma categoria bônus. Das mãos de Rico de Souza, ela levou para casa uma prancha personalizada por ter surfado a maior onda de remada.

O surfista Pedro Scooby participou da disputa, mas ficou fora do pódio. Em abril de 2021, ele pegou uma onda de cinco metros de altura batizada de "Laje da Besta", no meio na Baía de Guanabara.

A atriz Dani Suzuki, apresentadora do evento, foi consagrada como embaixadora do Prêmio Brasileiro Ocyan de Ondas Grandes e também ganhou uma prancha. Ela, que é uma das referências femininas e grande incentivadora da prática, foi pega de surpresa e agradeceu à organização. 

Votação mobilizou lendas do esporte

Para se ter a exata dimensão da importância do prêmio, o corpo de jurados contou com os votos de lendas da modalidade. Destaques para o norte-americano Mike Stuart, considerado um dos maiores bodyboarders de todos os tempos, Guilherme Tâmega, bodyboarder sete vezes campeão mundial, o surfista Everaldo Pato Teixeira, um dos mais talentosos da categoria e pioneiro na modalidade freesurfer, o especialista em tubos Bruno Santo, e o famoso big rider Eraldo Gueiros. 

- Estamos muito orgulhosos dos resultados obtidos esse ano. Tivemos um recorde de inscrições, estamos vendo mais mulheres pedindo passagem em competições de ondas grandes e esse é o nosso maior objetivo, difundir cada vez mais uma modalidade que a cada ano se fortalece - afirmou Guilherme Braga, um dos idealizadores do projeto.

Já Nir Lander, vice-presidente de Pessoas & Gestão da Ocyan – patrocinador master do evento –, destaca a importância de ser parceiro do Ondas Grandes.

- Costumamos dizer que o mar é nosso terreno. Nada mais justo do que apoiarmos um projeto que tenha o mar como foco, especialmente quando ele traz a reboque o incentivo ao esporte e o cuidado com o ecossistema marinho, que esbarram diretamente em ações gerais sociais e de meio ambiente da agenda ESG da Ocyan.

CONFIRA O TOP 3 EM CADA CATEGORIA (SURFISTA/CINEGRAFISTA):

PRÊMIO OCYAN ONDA DO ANO FEMININA
1º Lugar – Michelle des Boullions/Renan Vignolli
2º Lugar – Raquel Hackert/Devin Henning
3º Lugar – Michaela Fragonese/Yana Vaz

PRÊMIO OCYAN ONDA DO ANO MASCULINA
1º Lugar – Daniel Rangel/Jair Ferreira
2º Lugar – Pedro Calado/Gleyson Silva
3º Lugar – Paulo Diego Imbica/Teo Cury

MAIOR ONDA DO ANO
1º Lugar – Pedro Calado/Gleyson Silva
2º Lugar – Luciano Costa/Xande Bahia
3º Lugar – Ian Cosenza/Renan Vignolli

MAIOR WIPEOUT /VACA DO ANO
1º Lugar – Kalani Latattanzi/Matheus Couto
2º Lugar – Beg Rosemberg/Ronald Lima
3º Lugar – Michaela Fragonese/Michaela Fragonese

MELHOR ONDA DE BODYBOARD FEMININO
1º Lugar – Paola Simão/Guto Ribas
2º Lugar – Camille Oliveira/Adriano Lopes
3º Lugar – Clarissa Barros/Patrícia Ladeira

MELHOR ONDA DE BODYBOARD MASCULINO
1º Lugar – Breno Kuster/Jair Ferreira
2º Lugar – Dudu Pedra/Kalani Latattanzi
3º Lugar – Carlos Bell/Jair Ferreira

MELHOR ONDA DO ANO KITESURF
1º Lugar – Sebastian Ribeiro/Tiago Azzi
2º Lugar – Pedro Matos/Léo Chines
3º Lugar – Rafael Franco/Alessandra Viana

MELHOR ONDA DE BODYSURF
1º Lugar – Breno Diniz/Sheila Machado
2º Lugar – Higor Scheiner/Felipe Simões
3º Lugar – Yuri Pecene/Pedro Rolon