O capacete especial de Helio Castroneves para a Indy 500 (Foto: Divulgação)

O capacete especial de Helio Castroneves para a Indy 500 (Foto: Divulgação)

LANCE!
12/08/2020
08:05
Rio de Janeiro (RJ)

Olá amigos, tudo bem?

Escrevo direto de Indianapolis, onde cheguei na segunda-feira e nesta quarta, 12, começo a participar dos treinos para a edição 2020 da Indy 500. Serão três dias de atividades para trabalhar no acerto do carro para a corrida do dia 23 e também de olho no Qualifying, que acontece no sábado e domingo agora.
Na primeira parte da classificação, já ficarão definidas as posições de largada do 10º até o 30º postos. No domingo, enquanto os nove mais rápidos disputam entre si a pole position e demais posições até o 9º lugar, também são definidos os ocupantes da última fila.

Cumpridas essas etapas, após o domingo nós só voltaremos aos carros na sexta-feira, 21, para o Carb Day. Trata-se do último treinos antes da prova e todos os esforços são para encontrar o melhor acerto possível para a prova de domingo, cuja largada será dada às 15:30, no horário do Brasil, com transmissão ao vivo pelo Band Sports e DAZN.

Os treinos para mim serão muito importantes porque, além de não pilotar um carro da Indy desde o ano passado, não experimentei ainda o chassi com o aeroscreen, que é a proteção introduzida pela IndyCar para proteger os pilotos.
Como vocês já sabem, desde 1911, quando a Indy 500 foi disputada pela primeira vez, essa será a primeira sem a presença do público, por causa da pandemia. O Roger Penske, que é o novo dono de Indianapolis e do campeonato, fez tudo o que podia para que pelo menos uma pequena parte das arquibancadas fossem ocupadas. Mas não teve por onde, uma vez que os números do Covid-19 ainda são alarmantes nos Estados Unidos.

Para mim, que já venci aqui três vezes e não perdi uma prova sequer desde 2001, é uma mistura de emoções. Voltar ao Indianapolis Motor Speedway é sempre uma alegria indescritível, pois não há lugar no mundo do automobilismo onde tenha vivido momentos tão intensos como aqui. Só que ver esses grandes espaços, agora vazios, antes ocupados por uma torcida tão vibrante e apaixonada, realmente, dói no coração.

Mas é uma fase difícil para o mundo todo e temos de dar Graças a Deus por estamos aqui, quando tantos eventos importantes foram cancelados, nos mais diversos esportes. A segurança é a melhor possível, todos os protocolos estão sendo cumpridos e até além do recomendado pelas autoridades sanitárias.
Vamos fazer a melhor Indy 500 possível e já iniciar a contagem regressiva para que em 2021, quando esse pesadelo, queira Deus, já tenha passado, para receber toda a galera em maio do ano que vem para a 105ª Indy 500.

Enquanto isso, vou com o meu #3 amarelo, as cores da Pennzoil, para lutar com todas as minhas forças pela quarta vitória em Indianapolis.
Semana que vem eu volto para contar sobre os treinos, a classificação e a expectativa para o domingo. Forte abraço, cuidem-se e até semana que vem!

* Helio Castroneves é piloto do Acura Team Penske no IMSA WeatherTech SportsCar Championship e do Chevrolet Team Penske na Indy 500.