Helio Castroneves

Helio Castroneves está animado com mudança em seu calendário de provas deste ano (Foto: IndyCar Media)

LANCE!
22/02/2021
16:37
Daytona Beach (EUA)

Olá amigos, tudo bem?

Hoje eu tenho uma novidade legal para contar para vocês. A Meyer Shank Racing, equipe pela qual disputarei seis provas do NTT IndyCar Series neste ano, fez uma alteração no meu calendário e achei muito interessante a mudança.

Como vocês se recordam, eu faria minha primeira corrida pela equipe no dia 18 de abril, no Alabama, durante as disputas da prova inaugural de 2021 no Barber Motorsports Park. Mas com a confirmação da corrida em Nashville, em 8 de agosto, a direção preferiu que eu estivesse presente na prova do Tennessee.

É claro que eu estava contando os dias para correr em Barber. Com a mudança, vou acabar perdendo a fase de preparação que acontece antes da abertura do campeonato. Mas o que eu gostei foi a possibilidade de disputar mais uma prova de rua. E essa de Nashville, por ser a primeira vez que haverá corrida lá, será certamente um evento histórico.

Dessa forma, a minha estreia será na Indy 500, no dia 30 de maio. Depois disso vou correr em Nashville (8.8), no misto de Indianapolis (14.08), Portland (12.9), Laguna Seca (19.9) e Long Beach (26.9).

Para falar a verdade, qualquer tipo de pista está legal para mim, mas tenho muito carinho pelas provas de rua. Vivi grandes momentos nesse tipo de circuito, a começar por minha primeira vitória na Indy.

Foi em Detroit, no dia 18 de junho de 2000. Era meu primeiro ano na Penske e, nas seis primeiras corridas do ano, só tinha tido um resultado legal, que foi o segundo lugar em Long Beach, também uma pista urbana.

Pois bem, quando recebi a bandeirada da vitória, a minha primeira vitória na Indy, eu fiquei tão feliz, mas tão feliz que perdi a entrada dos pits. Tive de parar o carro na pista e, quando olhei para o lado, tinha uma galera vibrando bastante. Foi aí que saí do carro e fui comemorar com os torcedores. Subi na grade e foi aquela coisa toda.

Na coletiva de imprensa, teve um jornalista que brincou que eu parecia o Homem Aranha. E o apelido pegou. Vocês não fazem ideia de tantos bonequinhos, desenhos e fantasias do Homem Aranha que ganhei ao longo dos anos. Acho que se juntar tudo, talvez dê até para abrir uma lojinha.

É isso, amigos. Semana que vem estarei de volta. Forte abraço e até lá.