Coluna Helio Castroneves

Helio Castroneves escreve ao LANCE! às quartas-feiras (Foto: Divulgação)

LANCE!
16/09/2020
08:30
Rio de Janeiro (RJ)

Tudo bem aí, amigos? Espero que sim.

Por aqui estamos entrando na parte final da temporada 2020 do IMSA WeatherTech SportsCar Championship. Temos pela frente quatro etapas que, juntas, somam quase 28 horas de corrida. Em termos de campeonato, existem ainda 140 pontos em jogo, que significa dizer que o Ricky Taylor e eu estamos muito fortes na disputa pelo título.

Nosso início de campeonato, realmente, não foi bom. Na primeira corrida, a Rolex 24 at Daytona, disputada em janeiro e ainda longe dos problemas da pandemia, nós realmente tínhamos boas chances de lutar pela vitória, mas um piloto afoito me jogou para fora da pista ainda na terceira hora de uma corrida de 24. Até reparar o estrago que em nada foi culpa nossa, perdemos 24 voltas. Mesmo assim, com muito esforço chegamos em 8º na nossa categoria, a Daytona Prototype International.

Aí quando chegou março, momento de retomar o campeonato com a prova de 12 horas em Sebring, o mundo já tinha virado de cabeça para baixo e o negócio foi ficar em casa. Por causa disso, e ainda com todos os cuidados para manter a segurança sanitária, a segunda etapa só foi disputada no início de julho, mais especificamente no dia da independência dos Estados Unidos.

O local dessa volta às pistas foi Daytona novamente, mas num formato diferente, de 2h40 min. Fiz a pole position, Ricky e eu lideramos boa parte da corrida, mas ficamos pelo caminho na metade da corrida por problemas no Acura ARX-05 DPi #7. Vocês são testemunha de que o nosso carro é muito robusto, tem um nível de quebra baixíssimo e, principalmente, é muito rápido.

Naquele sabadão chuvoso, fomos obrigados a abandonar porque apareceu um problema na transmissão. Se fosse numa prova de 24 horas, o pessoal da Penske trabalharia duplo para arrumar. Mas, por ser uma prova curta, não daria tempo.

Duas semanas depois, fomos para Sebring para outra prova curta de 160 minutos com toda aquela determinação, na base do “agora vai”. Mas não foi... Andamos bem no início da corrida, sempre ali entre os cinco primeiros, mas aí a gente percebeu que o carro estava mais fraco, perdendo potência. No final das contas, era uma mangueira do turbo quebrada. Mas até descobrir, trocar a peça e voltar para a pista, perdemos um tempão danado. Ainda conseguimos fechar a corrida em 7º na nossa categoria.

Mas aí, quando parecia que o passarinho estava mirando nas nossas cabeças em todas as corridas, eis que o Ricky e eu demos a volta por cima. Emplacamos duas vitórias consecutivas, uma em Road America e outra em Road Atlanta (a primeira foi curta, mas a outra teve seis horas de duração), marcamos importantes 70 pontos e, agora, estamos somente 10 atrás dos líderes.

Lembram-se que lá no início eu disse que ainda estão em jogo 140 pontos? Pois é, vamos com tudo para as próximas corridas para garantir esse segundo título para o Acura Team Penske, que ganhou no ano passado com o Juan Pablo Montoya e o Dane Cameron.

Então, anotem aí as corridas que faltam para o encerramento do IMSA

WeatherTech SportsCar Championship

27 de setembro, Mid-Ohio (2h40min)
17 de outubro, Road Atlanta (10 horas)
1º de novembro, Laguna Seca (2h40min)
14 de novembro, Sebring (12 horas)

Tudo isso vai ser mostrado pelo Fox Sports2 e darei detalhes ao longo das semanas.

Grande abraço a todos, cuidem-se e até semana que vem!

* Helio Castroneves é piloto do Acura Team Penske no IMSA WeatherTech SportsCar Championship e do Chevrolet Team Penske na Indy 500.