Martina Navratilova (Foto: Divulgação/Laureus)

Martina Navratilova está em confinada na Flórida durante a pandemia de COVID-19 (Foto: Divulgação/Laureus)

LANCE!
13/05/2020
07:05
Rio de Janeiro (RJ)

A pandemia do novo coronavírus, que traumatizou o mundo, devastou o esporte. Não apenas para os que esperavam competir, mas também para aqueles cuja vida sempre teve um padrão familiar nesta época do ano. E ninguém teve mais isso do que lenda do tênis Martina Navratilova, membro da Academia Laureus.

Martina, vencedora de 59 títulos de Grand Slam, afirma estar seriamente preocupada com muitas das crianças e jovens que frequentam os programas da Laureus Sport for Good ao redor do mundo e que podem estar vulneráveis ao impacto de coronavírus.

Como membro da Academia Laureus, que ao longo dos anos tem visitado muitos dos programas humanitários em todo o mundo, ela alerta para o futuro de muitos dos jovens envolvidos.

- Em muitos países, a Laureus tem dado às crianças uma oportunidade de serem elas mesmas, de competir, jogar, socializar e, até mesmo, de obter alguma educação segura, em um espaço seguro que eles não poderiam obter. Estou muito orgulhosa de ter feito parte de alguns destes projetos. Eu fui a um projeto de boxe no East End de Londres, fui para uma favela de Mathare, nos arredores de Nairobi um par de vezes. Você simplesmente não pode imaginar as condições. Há mil crianças jogando futebol, fazendo educação, saúde, bem-estar, e recebendo conselhos sobre HIV e Aids. E agora adicione a isso o  coronavírus e o distanciamento social em lugares onde muitas pessoas estão embaladas em poucos metros quadrados. Esta pandemia que está atacando a Europa e a América ainda não começou a entrar realmente na África e em parte da Ásia, mas eles estão atrás da curva. Como lidarão? Como iremos ajudá-los? Talvez a Laureus possa encontrar uma maneira de chegar à frente da curva, porque essa onda está chegando e todos esses projetos vão ser afetados de uma forma muito maior - afirmou Navratilova, em entrevista ao "Laureus.com".

- Quando as pessoas se preocupam apenas com manterem-se vivas, economicamente todo mundo sofre e deixa-se de doar tanto para instituições de caridade. Então, vai ser muito complicado para manter todos esses projetos. Devemos manter o dinheiro fluindo de alguma maneira. Cada projeto é diferente, cada situação é diferente e você precisa para torná-lo específico para esses tempos e para cada lugar em particular - completou a tcheca.

A ex-tenista conta que, em meio à pandemia, se envolveu em um pequeno projeto em Fort Lauderdale, tentando levar as pessoas a costurar máscaras, um pequeno gesto que pode ajudar a salvar vidas.

- Eu conheço alguns médicos e enfermeiros. Eles se inscreveram para ajudar as pessoas, mas não se inscreveram para arriscar suas próprias vidas, por isso derramamos nossos corações para agradecê-los. Eu acho também que em longo prazo esta pandemia vai ajudar as pessoas que são negligenciadas - os porteiros, os profissionais de limpeza, as pessoas que entregam a comida, que captam a comida. Eu estou esperando que isso irá elevar o seu status e mostrar como eles são necessários. Talvez serão melhor pagos pelo seu trabalho.

- As estatísticas são esmagadoras, o sofrimento é esmagador. Acho que a ironia de tudo isso é que o coronavírus está matando as pessoas, em sua maior parte, onde eles não podem respirar, nos pulmões. Mas a Mãe Terra está respirando muito melhor, porque não estamos envenenando-a com nossos fumos. Eu só espero que de alguma forma encontremos uma maneira de sair dessa e que não muitas pessoas sofram. O abismo entre as pessoas é ainda mais evidente agora, pois as pessoas de baixo status sócio-econômico são impactados mais e não têm qualquer maneira de se manterem longe do vírus. Eles realmente não veem o fim do túnel, por isso o meu coração só vai para todas as pessoas que são afetadas de uma maneira tão difícil.

Ao longo dos últimos 20 anos, a Laureus Sport for Good levantou mais de € 150 milhões para o esporte para o setor de desenvolvimento, alcançando e ajudando a mudar a vida de quase 6 milhões de crianças e jovens.

Confinada em sua casa na Flórida, a tcheca diz que está lidando com a situação, mas admite a tristeza porque este ano não poderá estar em Wimbledon pela primeira vez desde 1973, devido ao cancelamento do Grand Slam.

- Para os jogadores de tênis, no Ano Novo nós sempre brindamos a Wimbledon. Tenho ido a Wimbledon desde que eu tinha 16 anos e não perdi um deles. Agora, é a primeira vez sem ir e eu estou coçando para pegar um avião e apenas tocar a grama. Wimbledon transcende tênis e transcende o esporte - disse a ex-atleta.