Carlos Bandeira de Mello
07/12/2018
11:50
Rio de Janeiro (RJ)

Depois de três anos, o Brasil pode levantar o troféu de campeão do Circuito Mundial de surfe. No sábado, na etapa de Pipe Masters, que será disputada em Pipeline, no Havaí, Gabriel Medina pode conquistar o bicampeonato inédito, junto a ele, Filipe Toledo busca comemorar o primeiro título na competição. Além dos brasileiros, o australiano Julian Wilson também tem possibilidade de levar a taça para casa. O duelo nas águas dos Estados Unidos será entre os dias 8 e 20 de dezembro.

Na última etapa, na cidade portuguesa de Peniche, Medina foi eliminado pelo conterrâneo Ítalo Ferreira na semifinal. Na decisão, Ítalo conseguiu derrotar o francês Joan Duru e venceu sua terceira etapa na temporada. Mesmo assim, o paulista se manteve na liderança do ranking, com 56,190 pontos. O australiano Julian Wilson e o brasileiro Filipe Toledo aparecem empatados com 51,450 na segunda e terceira colocação, respectivamente.

Para conquistar o bicampeonato mundial sem depender de outros resultados, Medina precisa chegar pelo menos à final. Se o atual líder do ranking chegar na terceira posição, Julian Wilson e Filipe Toledo terão de conquistar a etapa para tirar o título mundial de Medina. Ficando entre a quinta e a 25ª posição, Medina possibilita a Filipinho e Wilson a conquista do Circuito Mundial da WSL em caso de chegada à decisão. 

- Todos os dias estou tendo mais experiências de vida. Eu sinto que estou crescendo todos os dias. Então vou tentar fazer o meu melhor e ir para o segundo título mundial - disse Gabriel Medina. 

Recordar é viver...
Há quatro anos, no dia 19 de dezembro de 2014 para ser mais preciso, Medina levantou o caneco e encerrou jejum de mais de 38 anos em que um brasileiro não conquistava o Campeonato. Na época, ele assombrou gigantes e lendas do esporte, ganhou toneladas de experiência, lidou com pressão, superou limites e venceu três importantes etapas (Gold Coast, Fiji e Teahupoo).

Previsão
As condições para surfe parecem ser satisfatória. Na parte da manhã, de sábado, é de ondas com 2,6 metros, junto com o vento de Nordeste (52º). Ao entardecer, as ondas aumentaram para alegria dos surfistas, com 2,7 metros. 

Filipe Toledo (BRA)
Filipe Toledo em busca do primeiro título Mundial de Surfe (Foto: WSL / DAMIEN POULLENOT)

Em Portugal, Filipe Toledo fez um duelo equilibrado com o francês Joan Duru e vencia até o minuto final. Porém, em sua última onda, Duru conseguiu uma nota 6 e virou o placar para 12,50 a 12,10. Filipinho, como é carinhosamente conhecido, afirmou que não sente pressão nenhuma conquistar o seu primeiro título. Seria uma consequência do bom trabalho realizado.

- Não tenho pressão alguma, ainda mais agora que me tornei caçador. A expectativa está ótima, treinei bastante por aqui e, se a chance aparecer, estarei preparado. As chances existem e só vou desistir quando não tiver mais. Enquanto isso, minha fé só aumenta. Se isso acontecer, vai ser tremendo. Todo mundo tem sua primeira vez e quem sabe a minha está chegando - comentou.

Filipinho destacou o lado familiar. Principalmente, sua relação com seu pai, que auxilia o surfista nos momentos mais difíceis para ter um bom desempenho dentro do mar. 

- Gosto muito de ter minha família ao lado. É sempre bom poder dar um beijo e um abraço na esposa ou filho quando as coisas não vão bem. Meu pai sempre esteve ao meu lado, foi três vezes campeão brasileiro de surf e me ajuda demais. Você se preocupar apenas com ir para o mar fazer o que mais ama é a melhor coisa. Ele sempre me deixa bem à vontade e me passa a confiança que preciso, para ir lá e fazer o que mais gosto - complementou o atleta. 

Vale lembrar, que o havaiano John John Florence, bicampeão Mundial de surfe, anunciou, na última quarta-feira, a desistência de sua participação da última etapa, em sua terra natal. O atleta, que estava escrito na Pipe Master, está fora das competições desde maio, quando sofreu uma lesão no joelho durante uma sessão de freesurf na Indonésia.

- Acho que estou próximo dos meus 100%, mas ainda não estou totalmente recuperado. Essa semana recebi a notícia de que não posso executar todos os movimentos, então tive que tomar essa decisão. O Pipe Masters é a minha etapa favorita do Circuito, mas o melhor agora é ficar fora desse evento - disse o atleta.

Também está em jogo a taça da Tríplice Coroa Havaiana, um dos prêmios mais respeitados do esporte para quase dez surfistas. A primeira chamada do evento será às 16h, de Brasília, neste sábado (8). A competição se inicia com as triagens, que reúnem mais de 30 havaianos brigando por vaga no evento principal.

Três são brasileiros ainda lutam pela permanência na elite: Yago Dora (22º), Tomas Hermes (25º) e Ian Gouveia (29º). A missão de Dora é a mais simples, já que ele precisa de um resultado sólido para se manter. Para Tomas Hermes, é preciso chegar à semifinal e, mesmo assim, ainda dependeria dos concorrentes diretos. Ian Gouveia só um milagre. Ele precisa ganhar a etapa e secar os concorrentes. A temporada muito abaixo do filho de Fábio o colocou nesta incômoda situação.

O último campeão Mundial brasileiro, Adriano Souza, o Mineirinho ficou de fora da disputa e o encerramento da temporada. Ele ficará seis meses afastado das águas por conta de um estiramento parcial do ligamento colateral medial com ruptura do ligamento cruzado do joelho direito durante a etapa de Peniche (POR) do WCT. Agora, torce para um dos brasileiros levantar o título mundial. 

TODOS OS CAMPEÕES MUNDIAIS DE SURFE NO SÉCULO XXI
2017 - John John Florence (HAV)
2016 - John John Florence (HAV)
2015 - Adriano de Souza (BRA)
2014 - Gabriel Medina (BRA)

2013 - Mick Fanning (AUS)
2012 - Joel Parkinson (AUS)
2011 - Kelly Slater (EUA)
2010 - Kelly Slater (EUA)
2009 - Mick Fanning (AUS)
2008 - Kelly Slater (EUA)
2007 - Mick Fanning (AUS)
2006 - Kelly Slater (EUA)
2005 - Kelly Slater (EUA)
2004 - Andy Irons (HAV)
2003 - Andy Irons (HAV)
2002 - Andy Irons (HAV)
2001 - CJ Hobgood (EUA)