Liga das Nações Masculina de Vôlei

Brasil subiu para a quinta colocação na competição (FIVB/Divulgação)

Web Vôlei 
06/07/2022
11:11
Rio de Janeiro (RJ)

Na melhor atuação até agora na Liga das Nações Masculina de Vôlei, e com Leal em modo demolidor, o Brasil derrotou a Alemanha por 3 sets a 1, de virada – parciais de 25-27, 25-17, 25-20, 25-19 -, na madrugada desta quarta-feira, na cidade de Osaka, no Japão, na abertura da terceira e última semana da fase classificatória da competição. A Seleção subiu para a quinta colocação, com 18 pontos, empatada com o Japão, que ainda joga nesta rodada – contra a Austrália – e pode recuperar a posição. A Itália lidera com 22 pontos, seguida por Polônia, França e Estados Unidos

O Brasil enfrenta o Canadá nesta quinta-feira, às 6h (horário de Brasília), com transmissão pelo SporTV e precisa vencer novamente para garantir a classificação, já que os dois compromissos finais da fase são mais difíceis. Os outros adversários da etapa são: a campeã olímpica França, sexta-feira, às 3h40, e o anfitrião Japão, domingo, às 7h10. A fase final, com os oito melhores classificados, acontecerá a partir do dia 20, na Itália. Veja aqui a programação dos jogos da VNL que serão transmitidos pelo SporTV nesta semana.

Leal foi o maior pontuador do jogo, com 21 acertos. Lucarelli marcou 15. Os destaques da Alemanha foram Brand, com 17 acertos e Maaase, com 15. O técnico Real Dal Zotto começou o jogo com: Bruninho, Darlan, Leal, Lucarelli, Flávio, Isac e Thales (líbero). Entraram: Honorato, Rodriguinho, Aracaju e Cachopa.

Foi, sem dúvida, a melhor atuação da seleção verde-amarela nesta temporada. Destaque não só para a atuação de Leal, mas de todo o grupo, em especial de Isac e Flávio. A agressividade e o sangue nos olhos que a torcida tanto pediam voltaram, assim como uma eficiência maior em fundamentos como saque, passe e bloqueio e no ataque pelo meio. Bruninho distribuiu bem. No semblante, um time mais concentrado e também mais solto. Darlan passou no teste.

Sem Lucão e Alan, machucados, Isac e Darlan herdaram as vagas na equipe e foram bem. O Brasil não conta, na etapa de Osaka, com a sua inversão do 5 x 1 – pelo menos da forma tradicional – já que não tem outro oposto no banco para substituir Darlan. Além do titular Alan, que operou na última segunda-feira o tendão de Aquiles direito, após se lesionar na etapa anterior, Franco, o reserva imediato, também se recupera de uma lesão no cotovelo.

A boa atuação do Brasil e a reação no jogo começaram na reta final do primeiro set. O time perdia por 24 a 21, quando Bruno foi para o saque – e virou o placar para 25 a 24. A Alemanha, no entanto, conseguiu a vitória por 27 a 25, após um erro e ataque de Lucarelli. A boa arrancada no final da parcial acordou o Brasil, que fez um seguindo set impecável. Bruninho forçou bem as jogadas pelo meio, um dos pontos que a equipe precisava evoluir em relação aos jogos anteriores.

Os sets seguintes foram mais tranquilos. Nesse momento da competição, o importante é pensar na própria evolução, já mirando a fase final. Por conta das derrotas para Estados Unidos, Polônia e, inesperadamente, para a China, na primeira semana, o Brasil deve pegar um adversário mais incômodo nas quartas-de-final na Bolonha.

A rodada de ontem começou quente, com uma vitória emocionante do Irã sobre a Polônia no tie-break, calando a fanática torcida polonesa em seu ginásio. Veja aqui como foi Irã 3 x 2 Polônia.