Stephen Curry

Curry foi o cara do jogo 4 das finais da NBA (Jesse D. Garrabrant/AFP)

Vagner Vargas*
11/06/2022
01:48
Boston (EUA)

Quando o segundo quarto começava no TD Garden, em Boston, a repórter de quadra entrevistava o técnico do Golden State Warriors, Steve Kerr. A pergunta foi sobre o bom começo de jogo do armador Stephen Curry, com 12 pontos anotados até então. A resposta não poderia ter sido mais simples e certeira: “Ele é muito bom no basquete”, disse Kerr, sorrindo e voltando para o banco de reservas.

>>> Jornais poloneses e portugueses repercutem demissão de Paulo Sousa do Flamengo


Mal sabia ele que aquilo era só o começo. Quando o cronômetro zerou no último quarto, Curry somava 43 pontos, 10 rebotes e 4 assistências, com 7 bolas de três pontos convertidas em 14 tentadas. Mas o mais importante estava no placar do jogo 4 da série final da NBA: vitória do Golden State Warriors sobre o Boston Celtics por 107 a 97 e decisão empatada em 2 a 2.

- A gente sabia da importância desse jogo. O grupo demonstrou muito espírito de luta. Voltamos para esta série e recuperamos o mando de quadra. Isso é muito importante para nós - comentou Steph Curry após o fim do jogo, celebrando a vitória.

Uma vitória de Boston significaria uma vantagem de 3 x 1 para os Celtics na final da NBA. Somente um time conseguiu ser campeão após estar perdendo por 3 x 1, o Cleveland Cavaliers, em 2016, contras os próprios Warriors. A equipe de San Francisco sabia, melhor do que ninguém, a importância de voltar para casa com o confronto empatado.

Curry sem dúvidas foi o protagonista, mas a partida no TD Garden teve uma série de nuances que também tiveram importância no resultado final. Para começo de conversa, o técnico Steve Kerr mudou o time titular, colocando o ala Otto Porter Jr. no lugar de Kevon Looney e deslocando Draymond Green para a posição cinco. Não deu certo.

Porter Jr. terminou a partida com apenas 2 pontos em 15 minutos e Boston aproveitou a formação mais baixa do adversário para dominar os rebotes no primeiro quarto. Logo Kerr percebeu que o ajuste não tinha dado certo e voltou com Looney para a quadra. O pivô jogou 28 minutos e terminou a partida com 6 pontos e 11 rebotes.

Depois de perder a batalha dos rebotes no jogo 3, os Warriors deram uma resposta sonora aos Celtics. Golden State pegou 55 no total, sendo 16 ofensivos, enquanto Boston terminou com 42, 11 ofensivos. O ala Andrew Wiggins foi a peça mais importante para essa reviravolta. Ele pegou 16 rebotes na partida - recorde da carreira - e ainda contribuiu com 17 pontos.

A boa notícia para Boston é que, apesar de tudo isso, a equipe vencia a partida por 94 a 92 faltando menos de 5 minutos para o fim do jogo. Os Celtics voltaram a perder o terceiro quarto, uma tônica do confronto, e mesmo assim pareciam seguir firmes rumo à vitória. Porém o ataque estagnou, começou a forçar arremessos de três pontos e o time viu os Warriors vencerem os minutos decisivos do último quarto por 17 a 3.

Jayson Tatum anotou 23 pontos, 11 rebotes, 6 assistências e 3 tocos, enquanto Jaylen Brown terminou com 21 pontos e 6 rebotes. Os armadores Marcus Smart e Derrick White ainda contribuíram com 18 e 16 pontos, respectivamente, mas não foi o suficiente para assegurar mais uma vitória diante de uma torcida que fez sua parte, lotando o TD Garden e fazendo muito barulho do início ao fim.

Agora, a série muda totalmente de figura. Faltam três jogos para conhecermos o campeão da NBA e dois deles - caso o mesmo time não vença os próximos dois jogos - serão no Chase Center, em San Francisco. O próximo encontro já tem data e horário marcados: segunda-feira, às 22h. Quem ganhar fica a uma vitória do título.

*Em colaboração ao LANCE!