Julian Alaphilippe

Alaphilippe durante o Tour (Foto: Marco BERTORELLO / AFP)

Fernando Moyna
03/09/2020
08:15
BLOG SOLTANDO O FREIO

O que dizer da procissão que foi a etapa 6 da Volta da França? E o que dizer das equipes convidadas que não mandaram ninguém para a fuga? Não teriam a menor chance de vitória, tanto quanto qualquer outra etapa, então qual o motivo de não ficar na TV por horas mostrando seus patrocínios?

Com um tipo de trégua entre as equipes a etapa foi realizada em ritmo MUITO lento. Alguns ciclistas como Geshke e Greipel divulgando seus batimentos médios de 112 e 98 respectivamente.

Faltando 10km que a etapa realmente começou e imagino que a Jumbo tenha liberado o Aert para tentar o sprint justamente pela forma que a etapa foi disputada. Que talento o Aert! Está voando!

Poderia ter feito basicamente a mesma coisa no final montanhoso da etapa 5 do dia anterior caso não tivesse seu papel fundamental no “trem” da equipe Jumbo nas montanhas. Jumbo sobrando muito.

Que estupidez da equipe Deceunick! Se era fundamental para o Alaphilippe pegar uma garrafinha dentro dos últimos 20km que fosse feito por um dos gregários. Até porque todo o pelotão estava em ritmo de recuperação ativa. Lembro do Porte fazendo isso para o Froome em uma das poucas vezes que o Froome ficou vulnerável no Tour. A única diferença é que foi um gel.

Lembra a etapa que houve aquela confusão entre Sagan x Cavendish, que o Sagan acabou sendo mandado embora do Tour. A etapa foi disputada da mesma maneira, mas só iremos lembrar do tumulto do final.

Hoje teremos um final bem duro! Os últimos 35km serão praticamente todo em subida e ao contrário de 3ª feira, que era basicamente uma única montanha de 10km, constante e com inclinação de 6%-7%, teremos um final irregular com pelo menos 2km com % em 2 dígitos, que fazem parte de 5km com média de 9,6%!

Terreno que SIM favorece as fugas dos escaladores contra o “trem” de escalada da Jumbo. Com tantos bons escaladores nesse Tour acredito em ataques e alianças entre alguns deles para tentarem pegar a equipe Jumbo ou pelo menos o Dumoulin sem o ritmo ideal de prova da terceira semana e assim diminuir as opções táticas da Jumbo. Ineos já está nessa situação.

Teremos gaps entre os GCs. Pequenos, na casa dos segundos, mas de qualquer maneira teremos entretenimento de montanha neste final. Principalmente se uma fuga for pega e os bônus de tempo no topo do Col de la Lusette, a 20km da chegada, e da chegada estiverem em jogo para quem disputa a amarela.

Infelizmente nesse cenário não vejo o Alaphillipe se segurando contra os melhores escaladores do mundo. Mais fácil o Yates segurar a amarela do que ele recuperá-la.

Hoje valerá MUITO a pena assistir os últimos 35km.