Guilherme Dorini
13/06/2022
12:59
Londres (ING)

O alemão Sebastian Steudtner foi reconhecido no último mês como o dono do recorde de maior onda já surfada na história do esporte, com uma bomba de 26,21 metros em Nazaré. No entanto, o que pouca gente sabe, é que há um brasileiro por trás da conquista, sendo parte fundamental do feito alcançado em outubro de 2020 em Portugal.

Edilson Assunção, mais conhecido como Alemão de Maresias, foi o piloto do jetski responsável por colocar Steudtner na onda. Mas não ‘apenas’ isso. Também faz parte de sua função observar as ondulações e escolher aquela com maior potencial para o surfista que está sendo ‘rebocado’ por ele - categoria batizada de ‘tow-in’ dentro do surfe.

Alemão de Maresias é uma referência no esporte
Alemão de Maresias é uma referência no esporte | Reprodução

“Foi uma onda que veio embaixo de todo mundo, essa onda passou por todo mundo e ninguém viu, e eu falei: ‘essa vai ser a onda’. Aí o spotter disse que teria potencial. Eu acreditei, olhei para o Sebastian e falei para ele ir. Nossa velocidade não era suficiente para alcançar ela, mas quando vi que dava para lançar ele, fiz o sinal, estilinguei, e ele foi para a onda. Quando você vê o vídeo, você vê que ele demora para chegar na parte crítica, quando ela levantou, ele veio por trás do pico e ela forma aquele famoso triângulo de Nazaré. Está aí, onda do recorde”, recordou Alemão em um papo com o Let’s Surf, parceiro do Lance!.

PRIMEIRA VEZ DA DUPLA

“Eu nunca havia feito tow-in com o Sebastian. Fui a convite da Maya [Gabeira]. Mas nós somos muito experientes. Quando me conecto com um surfista, se é um atleta de alta performance, é questão de trocar olhares, ajustar uma coisa ou outra, umas dicas, combinar uns sinais… Sempre funcionou assim. O entrosamento com ele foi muito rápido, ele é um dos mais experientes em Nazaré, até mais que eu, conhece bem a onda, também é um ótimo piloto. A ideia era se divertir, pegar grandes ondas. A Maya me pediu para ser o piloto do dia, já que no dia anterior tinha sido ela. Acabou a sessão, nos abraçamos, foi uma energia muito boa.”

Sebastian Steudtner na maior onda já surfada da história
Sebastian Steudtner na maior onda já surfada da história

SURPRESA E FALTA DE RECONHECIMENTO

Após a confirmação de que a onda era a maior já surfada na história, Sebastian fez algumas postagens nas redes sociais, mas em nenhuma delas exaltando o trabalho de Alemão. Nem o surfista, a Liga Mundial de Surfe (WSL), ou até mesmo o Guinness World Records, fizeram questão de reconhecer o trabalho do brasileiro, que ficou chateado com a situação.

“Quando vamos para uma situação como essa, tem o spotter, o câmera, o pessoal do resgate, mas, na hora do surfe, essa sintonia entre o piloto e o surfista tem que ser muito maior. Acredito que o piloto que leva o surfista para uma onda gigante, é de 50 a 70% [de responsabilidade] para o piloto. A onda pode ser horrível, o cara se machucar, ou colocar o cara na onda da vida, e ser um espetáculo. Acho que a importância é quase que meio a meio. Ali, me chateou um pouco, porque eles falam de time, time, time, mas não dão o devido crédito”, disse Alemão.

“Eu fiquei um pouco chateado, porque ele realmente não falou nada, diferente de quando ele falou no dia, ou no começo da temporada… Eu nem sabia [do recorde], para mim foi uma surpresa, todo mundo falava de outras, mas dessa dele, ninguém nem sequer citava. De repente, recorde do Sebastian. E não se fala nada. Todo mundo que viveu aquele dia sabe que fui uma pessoa importante, pilotos que me mandaram mensagens no particular dizendo que ‘só teve aquele recorde, porque era você’”, acrescentou.

“Fiquei um pouco sentido, você se dedica por 20 anos… É mais que algo financeiro, é um reconhecimento por aquilo que você faz. Em nenhum momento fui citado, era a maior entidade do surfe mundial (WSL), a maior dos recordes (Guinness), um dos maiores surfistas de Nazaré, que sabe do meu trabalho, do meu potencial, e não mencionar. Ficou um pouco chato. Fiquei triste, é notório, foi falta de reconhecimento. Se ele ganhou 50 mil dólares, um milhão de dólares, ele me pagou aquele dia, dei meu 100%, o resultado foi concluído com êxito. Se depois bateu o recorde, virou notório, mundialmente famoso, palmas para ele, merece como qualquer um. Mas agradecer generalizando a ‘equipe, fica muito nivelado. É o meu trabalho, quero ser reconhecido por isso, usar a meu favor”, completou o brasileiro.

REFERÊNCIA NO ESPORTE

Alemão de Maresias recebe prêmio por comprometimento
Alemão recebe prêmio por comprometimento - WSL/Divulgação

Alemão de Maresias é um dos melhores pilotos de tow-in do mundo. Além da relação com Maya Gabeira, ele também está acostumado a trabalhar com outros grandes nomes do esporte, como Lucas Chumbo, Pedro Scooby, Ian Consenza e Rodrigo Koxa, além de já ter ‘puxado’ os também campeões mundiais Italo Ferreira e Gabriel Medina.

Além de colocar os surfistas nas ondas das suas vidas, Alemão também é famoso por ter realizado resgates complicados, sendo, inclusive, reconhecido pela WSL em 2020, quando faturou o prêmio de maior comprometimento com os surfistas.

Em 2021/22, o brasileiro ainda foi convidado para integrar a equipe de Garrett McNamara, lendário surfista norte-americano, que dava início a produção da série “A Onda de 100 Pés”, que teve sua primeira temporada lançada plataforma de streaming HBO MAX.

“Para mim, essa temporada de 2022 foi épica, trabalhar ao lado de um dos grandes ícones de Nazaré, do surfe de ondas grandes no mundo. O Garrett é uma pessoa muito empenhada e dedicada nos projetos dele. Então, fazer parte do projeto dele, com a equipe, a família dele, foi sensacional. Foi uma surpresa para mim, eu tinha alguns convites de outras equipes, estava meio desanimado de ir para Nazaré, mas aí veio o convite dele, não pude negar. Fiquei três meses com ele, pegando ondas gigantes. Foi, sem dúvidas, um grande feito na minha vida. Foi magnífico”, finalizou.