Chris Froome

Chris Froome segue em recuperação em um hospital de Saint Etiénne (Foto: Reprodução/Twitter)

LANCE!
15/06/2019
17:48
Saint Etiénne (FRA)

Em recuperação de uma cirurgia de reconstrução dos ossos fraturados na queda que sofreu no treino de quarta-feira para a etapa de contrarrelógio da Critérium Du Dauphiné, uma das mais duras provas de uma semana do calendários do ciclismo, Chris Froome mandou um recado nas suas redes sociais em agradecimento pelo carinho que recebeu dos fãs e por todo o trabalho das equipes médicas que o socorreram.

"Quero apenas agradecer imensamente a todos que enviaram seus melhores desejos desde o acidente. Este é obviamente um momento difícil, mas aproveitei muito do apoio nos últimos três dias. Eu sei como tenho sorte de estar aqui hoje e quanto devo a todos os paramédicos e equipe médica na corrida. Embora este seja um retrocesso e um grande problema, estou me concentrando em olhar para frente. Há um longo caminho para a recuperação, mas essa recuperação começa agora e estou totalmente focado em voltar ao meu melhor", disse Froome.


Froome não corre risco de morte, mas ficará pelo menos um mês internado. Ele quebrou o quadril, cotovelo e fêmur direito, além de costelas. Segundo Remí Philippot, um dos cirurgiões que o operou, ele retornará ao ciclismo, mas precisará de seis a oito meses para recuperar-se.

Froome é um multi-campeão, tetracampeão da Volta da França (a grande prova do ciclismo), vencedor da Volta da Espanha e do Giro da Itália, medalhista olímpico e tricampeão da Critérium. Ele acidentou-se quando, a 60km/h foi assoar o nariz e sua bike levou uma rajada de vento. Ele bateu em um muro.

Fuglsang tira Yates da liderança

O dinamarquês Jacob Fuglsang assumiu a liderança da Critérium. Neste sábado, na penúltima etapa - com três montanhas de categoria 1 - o atleta da Bora terminou em segundo lugar. Como estava a 7s do então líder Adam Yates (que terminou em sexto), Jacob ganhou um bônus de seis segundos pela vice-liderança e mais a da diferença de 10s na prova. Assim, entra neste domingo na última etapa, também de montanha, com 25s de vantagem e grande possibilidade de sagrar-se campeão da Critérium pela segunda vez (venceu em 2017). O vencedor da etapa 7 foi o holandês Wout Poels, da Ineos (ex-Sky), com 4h01m34s.

Esta foi a etapa rainha da edição 2019 da Critérium (no ciclismo, o dia mais duro ganha essa denominação) e para complicar, além das três montanhas 1 (categoria de máxima dificuldade, que vai de 1 a 4) nos Alpes entre a França e a Suíça, caiu uma tempestade durante a metade final do percurso. Fulgsang puxou uma fuga com Emanuel Buchmann, alemão da Boha. Eles ficaram na frente até os 200m finais, quando Poels, que tinha desgarrado do pelotão, arrancou para ultrapassar a dupla e chegar 1s à frente dos rivais.

Amarelou

A grande decepção ficou com Nairo Quintana. O colombiano da Movistar, com o acidente de Chris Froome e a desistência antes da ptova de Tom Dumolin, por lesão, era o favorito e precisava tirar 40s de Yates. Só que ele ficou 1m20 atrás do líder,despencou na tabela e, a não ser que ocorra um milagre na disputa de hoje, despencou para longe do Top10.

Quem vence?

Assim, a briga ficará entre os sete primeiros colocados, separado apenas por 30s: Fuglsang, Yates, VAN GARDEREN, Van Garderen (EUA/EF) Buchman, Poels, Dylan Teuns (BEL/Bahrain) e Tibaut Pinot (FRA/Astana)