(Foto: Arquivo Pessoal)

Brasil saiu do Mundial de Grappling com dois atletas sendo campeões na disputa do torneio (Foto: Arquivo Pessoal)

TATAME
12/09/2018
10:27
Astana (CAZ)

Encerrado no último domingo (9) após quatro dias de duração, o Campeonato Mundial de Grappling agitou Astana, no Cazaquistão, com a presença de vários grapplers de elite. Organizado pela United World Wrestling (UWW), o evento reuniu disputas com e sem quimono, divididas em categorias de peso, e contou com a participação de brasileiros e atletas de vários outros países como Rússia, Estados Unidos, Ucrânia, Polônia, Israel, etc.

Representando o Brasil, os irmãos João e Paulo Miyao, além de Caroline De Lazzer Cardoso, entraram em ação. Paulo, porém, sofreu um forte baque. Inscrito na divisão até 66kg, o faixa-preta de Jiu-Jitsu chegou a pisar no tatame e finalizar sua primeira luta. Porém, na sequência, foi informado de que estava cortado da competição por conta de uma suspensão imposta pela USADA após o Mundial da IBJJF, em 2016, e ainda em atividade.

Na ocasião, Paulo testou positivo em exame antidoping e acabou suspenso por dois anos, em 29 de setembro de 2016. Como a punição é retroativa, o brasileiro só estaria apto para lutar novamente em alguma competição sob a tutela da USADA – casos do Mundial de Grappling e o Mundial da IBJJF – a partir do dia 29 deste mês, fato que não era conhecido.

João Miyao, por sua vez, fez bonito, e representando a família, levou o ouro duplo na divisão até 62kg, triunfando com e sem o quimono. Sem o pano, o faixa-preta derrotou Argen Kaidybaev por 13 a 4 nos pontos nas quartas de final, Nathaniel Vince Ortiz por 9 a 2 nas semis e, na grande final, encontrou o casca-grossa russo Akhmed Iasaev.

Sem tomar conhecimento do rival, que em suas lutas anteriores havia somado um placar agregado de 22 a 5, João primeiro tentou o armlock, defendido por Iasaev, mas na sequência encaixou um justo triângulo que deixou o russo apagado e lhe garantiu o título.

Vestindo o quimono, João Miyao derrotou Dmytro Baranov, da Ucrânia, por 12 a 6 nos pontos para subir no lugar mais alto do pódio e sacramentar o seu segundo ouro.

Assim como João, a experiente Caroline de Lazzer também brilhou, anotando mais um ouro para o Brasil na “curta” participação no país no Mundial de Grappling 2018. Na disputa por equipes, a Rússia foi o grande destaque, vencendo o masculino Gi e No-Gi. No feminino, a Polônia levou o com quimono, enquanto a Ucrânia foi a grande vencedora sem o pano.

Quer ficar por dentro do mundo da luta? Clique e acesse o site da TATAME!