Arbitral Carioca

Arbitral foi realizado nesta segunda-feira e definiu detalhes da competição (Foto: Vinicius Faustini)

Vinícius Faustini
21/10/2019
16:51
Rio de Janeiro (RJ)

A próxima edição do Campeonato Carioca apresentará novidades. O Arbitral realizado na tarde desta segunda-feira na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) sacramentou que um clube pode se sagrar campeão carioca após vencer a Taça Guanabara e a Taça Rio. A competição terá 15 ou 17 datas.

A proposta feita pelo mandatário da entidade, Rubens Lopes, faz uma ressalva. Está prevista uma decisão caso um clube obtenha maior número de pontos do que o campeão em dois turnos. Nesta proposta, o campeão da Taça GB e da Taça Rio terá vantagem na final.

Outros pontos também foram modificados para a competição. A primeira fase da Taça Guanabara terá jogos dentro dos próprios grupos. A Taca Rio, por sua vez, prever um cruzamento dos grupos A e B para decidir a classificação. O objetivo é evitar que uma semifinal de turno ocorra em um sábado de Carnaval.

A competição terá novamente Pelé como seu embaixador. Estão previstas ações de marketing com o Atleta do Século. O "Rei do Futebol" já ocupará o cargo na edição de 2018, mas no ano passado, por questões físicas, não contribuiu para a competição.

Proposta do Fluminense é descartada

O presidente do Fluminense, Mario Bittencourt, chegou a sugerir a possibilidade de final em jogo único. Porém, foi voto vencido na decisão final. 

Presidente da FFERJ, Rubens Lopes viu com bons olhos as mudanças da competição para a próxima temporada.

- Tivemos muitas alterações nas concepções do campeonato. Não vejo nenhuma inconveniência, é um tipo de alteração no qual todos ganharam os clubes que ficaram na Série A, os clubes da Seletiva... - disse.

O dirigente também fez um apelo quanto à competição estadual.

- É preciso que todos estejam imbuídos que o campeonato seja melhor do que todos no mundo - completou.

São Januário não poderá abrigar decisão da competição

Uma das medidas do Campeonato Carioca descartou a hipótese de São Januário ser palco da final da competição. De acordo com a proposta aprovada pela maioria, somente estádios com capacidade superior a 40 mil pessoas abrigarão os jogos decisivos. Com isto, apenas Nilton Santos e Maracanã serão sedes das finais.

De acordo com a Fferj, o "Maior do Mundo" passou a ser considerado campo neutro.

Outra mudança quanto a estádios foi em relação a vendas de mando: somente em jogos de fase classificatória os clubes poderão levar partidas para fora do estado do Rio de Janeiro.