Rodrigo Rodrigues

"RR": apelido marcou a carreira de Rodrigo Rodrigues do polivalente jornalista (Foto: Reprodução)

Rodrigo Portella*
29/07/2020
12:00
Rio de Janeiro (RJ)

A morte do apresentador do "SporTV" Rodrigo Rodrigues, aos 45 anos, assustou aos torcedores que acompanhavam a luta do "RR", como era conhecido, contra o coronavírus.  Na terça-feira, o escritor, jornalista e músico não aguento a principal complicação em seu quadro: a trombose venosa cerebral.


Muitos torcedores se surpreenderam com a consequência no cérebro do apresentador com uma doença constantemente relacionada aos pulmões. Por isso, o LANCE! conversou com o médico Rafael Paternò, neurologista do Hospital 9 de Julho, para explicar a doença. Segundo ele, esta consequência pode ser considerada não usual.

- Embora a Covid-19 aumente as chances de trombose ou sangramento, ela não é uma manifestação comum. É natural que, nesse caso específico, ela tenha correlação, mas a trombose é uma doença que acomete também pessoas que não tiveram Covid-19. A trombose é uma doença que, em sua maioria, acomete mulheres jovens ou de meia idade, que fazem o uso de anticoncepcional, que fumam e que estão acima do peso - explicou o especialista.

De acordo com as informações do médico, a trombose é a formação de um coágulo dentro de um vaso sanguíneo. Sendo assim, é uma das formas da Covid-19 trazer complicações por meio de distúrbios da coagulação, que podem elevar o risco de trombose ou de sangramentos.

Geralmente, os pacientes reclamam de trombose nas pernas, porém, também existe trombose na circulação pulmonar, que é o tromboembolismo pulmonar, como esclarece o especialista, e existe a trombose venosa cerebral, que é o caso do apresentador do "Troca de Passes".

- No caso do Rodrigo, com certeza é possível atribuir essa complicação como sendo secundária à Covid-19 - disse ele, eliminando algumas dúvidas do público que dissociaram o quadro da doença pandêmica com o falecimento. 

Rodrigo Rodrigues chegou ao hospital no último sábado depois de vômitos e outros mal-estares. Já diagnosticado com a Covid-19, o apresentador estava afastado de suas funções na "Globo". Na segunda-feira, os médicos precisaram operar o cantor para a diminuição da pressão no cérebro do cantor e escritor Rodrigo. 

- O Rodrigo chegou ao hospital no sábado com quadro sugestivo de acidente vascular cerebral. Desde então foi acompanhado pela equipe de neurologia clínica e cirúrgica e, de uma forma leiga, houve um extravasamento do sangue de dentro dos vasos, o que gerou um aumento da pressão intracraniana - explicou o médico e diretor do hospital Unimed-Rio, em entrevista ao "Seleção SporTV".

Mensagens nas redes sociais, união entre "SporTV" e "ESPN Brasil", entre outras formas foram realizadas para homenagear o apresentador, de 45 anos. Na terça, a CBF anunciou que serão feitas lembranças em partidas. Relembre alguns momentos da carreira de Rodrigo aqui.

Na visão do Dr. Rafael Paternò, mortes deste tipo reforçam a preocupação com a doença que já matou mais de 88 mil brasileiros, segundo dados oficias. A perda de um famoso pode representar uma memória ao isolamento coletivo dos cidadãos.

Acompanhe abaixo outras respostas do especialista do Hospital 9 de Julho:

PACIENTES EM ESTADO GRAVE PODEM TER ESTA CONSEQUÊNCIA?
Não sabemos se os fatores de risco que valem para a população geral (assim como para pessoas de fatores de risco, como obesidade, fumantes e portadores de doenças crônicas) também são fatores que podem levar os pacientes com Covid-19 a desenvolverem a trombose.

O QUE É TROMBOSE?
A trombose é a formação de um coágulo dentro de um vaso sanguíneo. No caso do Rodrigo, esse coágulo se formou em uma das veias que faz a drenagem do sangue para a cabeça, mais especificamente, na veia que leva esse sangue embora da cabeça de volta em direção ao coração.