Pacaembu

ESPECIAL L!: Pacaembu completará 80 anos nesta segunda-feira (27) (Bruno Fernandes/Fotoarena/Divulgação Palmeiras)

Rodrigo Portella*
25/04/2020
14:00
São Paulo (SP)

Ao melhor estilo clássico e histórico, um velho conhecido do futebol brasileiro completa 80 anos de fundação, nesta segunda-feira. O Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Estádio do Pacaembu, localizado na zona central da cidade de São Paulo, foi inaugurado em 1940. Considerado, na época, um dos mais modernos da América do Sul, o espaço é um marco.

Para abrir a data comemorativa, o LANCE! convocou uma série de craques responsáveis por dar voz às emoções ali vividas. Milton Leite, Gustavo Villani, da “Globo”, Silvio Luiz, da "RedeTV!", André Henning, do “Esporte Interativo”, Penidão, da “Rádio Globo RJ”, e Oscar Ulisses, da “Rádio Globo SP”, foram os eleitos para contarem os mistérios do charmoso estádio e comentarem seus momentos marcante no Pacaembu.

Para Milton Leite e Gustavo Villani, a primeira lembrança de cada deles dentro do “Paca” vai além da vida como comunicadores. Os apaixonados por futebol já viviam o local muito antes de descobrirem que seriam responsáveis por emocionar o público.

Jorge Henrique e Ronaldo - Corinthians 2010
Ronaldo em campo pelo Timão no Pacaembu (TOM DIB/LANCEPRESS!)

- O Pacaembu foi um dos cenários da minha formação como torcedor de futebol e minha primeira transmissão de jogo na TV foi neste estádio. Foi um Palmeiras x Portuguesa, pelo Campeonato Paulista de 1991. Desde então, já transmiti muitos jogos lá e decisões de campeonatos. Foi no Pacaembu que disse o famoso "Que beleza!" para o Ronaldo. Pelo Corinthians, em 2009, ele foi bater uma falta contra o Vitória, escorregou, caiu sentado e levou um "Que beleza", mesmo sendo o Fenômeno - disse Milton.

Gustavo Villani também ficou marcado pelos jogos como torcedor e ressaltou uma curiosidade do apelido do estádio. Contudo, um confusão ficou em sua mente.

- O Pacaembu é lindo. A começar pelo nome indígena. Vi grandes jogos ali. Tenho as melhores lembranças. A primeira lembrança é triste, era garoto de passagem em São Paulo, morava em Marília, e fui assistir aquele São Paulo x Palmeiras pela Supercopa São Paulo de Futebol Jr. O tobogã estava em reforma e serviu de munição para os vândalos.

Além das ruas apertadas no entorno e da charmosa arquibancada, o Pacaembu está na memória principalmente dos torcedores paulistas pelos títulos e duelos históricos. Mesmo que Palmeiras, Corinthians, São Paulo e Santos tenham suas devidas casas, Milton enaltece o estilo “raiz” do Pacaembu.

- Tem um charme especial. Talvez por ser de todos e não ser de ninguém. O fato de ter uma história com tantos jogos memoráveis, jogos de Copa do Mundo, de tantos craques que pisaram ali. A arquitetura também permite uma ótima visão, você não fica tão longe do campo. Para transmitir jogos também é ótimo.

O Santos ganhou a Copa do Brasil de 2010 e viu Neymar e companhia baterem o Peñarol na final da Copa Libertadores de 2011
Neymar venceu a Libertadores pelo Santos no estádio (Foto: Nacho Doce/Arquivo Lance!)

- O charme do Pacaembu está no conforto. É ótimo para assistir jogo, qualquer lugar na ferradura da arquibancada fica próximo do campo. E as cabines de trabalho também são excelentes - apontou Villani, que ainda revelou seu jogo mais marcante no local: Santos x Peñarol, em 2011, quando o Peixe foi campeão da Libertadores.

Não apenas partidas ficaram na memória de Guga Villani. Como ele revelou ao L!, não sai de sua cabeça a bicicleta de Alberto, ex-centroavante do Santos, contra o Corinthians, em 2002. Para ele, era um time iluminado sob o comando de Emerson Leão com Diego, Robinho e cia. Guga ainda finalizou avaliando a jogada:

- Que golaço!

*sob supervisão de Tadeu Rocha