Fluminense Campeonato Carioca 2020

Fluminense ficou com o vice-campeonato carioca em 2020, mas venceu a Taça Rio (Foto: Lucas Merçon/Fluminense)

Luiza Sá
19/07/2020
07:00
Rio de Janeiro (RJ)

Com o fim do Campeonato Carioca, o Fluminense começa a se preparar para dar início ao maior desafio da temporada: o Campeonato Brasileiro. Odair Hellmann já deixou claro que pretende rodar o elenco e as cinco substituições liberadas em tempos de pandemia mostraram algumas tendências do treinador nas alterações. Os atacantes Fernando Pacheco e Caio Paulista, por exemplo, são os reservas mais acionados. E, diferentemente de como era antes da paralisação, atualmente os atletas com mais minutos em campo formam justamente o time titular.

Pacheco é a principal escolha de Odair para tentar mudar a partida na segunda etapa. Dos 11 jogos que entrou, ele foi titular em apenas um e soma 368 minutos em campo. O peruano de 21 anos costuma atuar por cerca de 30 minutos, tem um gol marcado, uma assistência e é uma alternativa para dar mais velocidade e fôlego à equipe. É também o caso de Caio Paulista, que ainda não começou jogando nas nove partidas em 2020 e é o segundo mais acionado no banco. Ele tem 178 minutos em campo, mas ainda não fez gols ou deu passes para um companheiro marcar.

- Valorizo todos da mesma forma e acredito em grupo. Principalmente falando de Campeonato Brasileiro, não dá para fazer uma competição de regularidade e com boa resposta se não tiver grupo. Todos são importantes. Tivemos boas atuações com o Ganso e o Fred jogou bem. Certamente esses jogadores e outros vão nos ajudar durante a caminhada. Qual será a equipe do Brasileiro eu não sei. Vou usar todos os jogadores. Todos vão ser importantes, não dou valor apenas para quem inicia. Sei que o grupo pode fazer a diferença e ganhar campeonatos. Fred e Ganso são importantíssimos e de muita qualidade - disse Odair em uma coletiva antes do segundo jogo da final do Carioca, quando perguntado sobre Paulo Henrique Ganso e Fred.

Ganso, inclusive, foi utilizado seis vezes ao sair do banco e soma 159 minutos de jogo. Ele foi titular em apenas uma oportunidade, na primeira partida após o retorno do futebol, contra o Volta Redonda, quando Nenê ainda se recuperava da COVID-19. Michel Araújo e Miguel também entraram seus vezes. O jovem da base é o que tem mais minutagem de todos, com 167 minutos em campo. O uruguaio tem 124 minutos.

OS QUE MAIS JOGARAM

A tendência de Odair por testar formações pode ser vista também na quantidade de escalações diferentes que o treinador já utilizou neste ano. Foram 30 atletas usados e três repetições. Uma delas exatamente com os atletas que hoje tem a maior minutagem do elenco e são considerados os titulares, que jogaram contra o Flamengo na final da Taça Rio e no segundo jogo da decisão do Campeonato Carioca.

O time tem Muriel (14 jogos, 1260 minutos); Gilberto (13 jogos, 1131 minutos), Matheus Ferraz (10 jogos, 900 minutos), Nino (ou Digão, com os mesmos oito jogos e 720 minutos) e Egídio (11 jogos, 916 minutos); Dodi (10 jogos, 637 minutos), Hudson (13 jogos, 1145 minutos) e Yago Felipe (12 jogos, 965 minutos); Nenê (13 jogos, 1028 minutos), Marcos Paulo (11 jogos, 709 minutos) e Evanilson (10 jogos, 610 minutos).

Antes da paralisação, a escalação dos mais usados do Fluminense tinha Muriel; Gilberto, Luccas Claro, Digão, Egídio; Yago Felipe, Hudson, Henrique, Nenê; Marcos Paulo e Evanilson. Além dessas finais contra o Fla, Odair repetiu a formação na vitória por 1 a 0 contra o próprio Flamengo na Taça Guanabara e depois no empate por 1 a 1 com o Unión La Calera, na Sul-Americana. A segunda vez foi nos clássicos contra o Botafogo, com vitória por 3 a 0, e em mais um com o Rubro-Negro, na derrota por 3 a 2.

O Fluminense iniciará na segunda-feira a preparação visando o início do Campeonato Brasileiro. A estreia na competição será no dia 8 ou 9 de agosto, contra o Grêmio, fora de casa.