Comemoração Fluminense

Cano marcou os gols do título do Fluminense no Carioca (Foto: Armando Paiva / LANCEPRESS!)

LANCE!
02/04/2022
22:22
Rio de Janeiro (RJ)

Na final do Campeonato Carioca, a torcida tricolor "fez o L" mais uma vez. A comemoração do gol de Germán Cano, em homenagem ao filho Lorenzo, é uma marca registrada do artilheiro e em pouco tempo foi abraçada pela arquibancada. Neste sábado, ela não somente fez a alegria do público, como também marcou o gol da conquista do estadual. Além do argentino, outros jogadores do Fluminense também ficaram marcados por gestos icônicos na hora do gol. Relembre alguns deles. 

WASHINGTON E ASSIS
​Na década de 80, o Fluminense teve o protagonismo de uma dupla que ficou eternizada na história do futebol. O casal 20 marcou época e conquistou quatro títulos com as três cores. Juntos, eles costumavam montar as jogadas que culminavam nos gols, geralmente de Washington, e também comemoravam os feitos em campo. Em um gol de Assis, que garantiu o título Carioca de 83, a comemoração do par marcou tanto que até hoje é lembrada. 

Washington e Assis - Carioca 83
Washington e Assis comemorando o Carioca de 83 (Flu-Memória)

FRED 
​O atacante chegou às Laranjeiras em 2009, mas brilhou mesmo na temporada seguinte. O camisa 9, que já marcou 197 vezes pelo Flu, comemorava seus gols fazendo coreografias de diversos estilos musicais, algo relativamente novo para a época. Além disso, há também o tradicional coração para a torcida. Sempre que balança a rede, o ídolo enquadra o escudo do uniforme entre os dedos, um gesto que simboliza a sua identificação com o clube. 

THIAGO NEVES
​Entre 2010 e 2012, outra coreografia tomou conta da torcida. O ídolo aproveitou o lançamento do funk "Créu" para usar o passo da música como comemoração. Não demorou para que os tricolores se juntassem ao atacante na brincadeira. Em três anos no Flu, Thiago Neves conquistou dois Brasileiros e uma Copa do Brasil. 

HENRIQUE DOURADO
​O centroavante chegou no Flu em 2016 e permaneceu até 2018. Em pouco tempo após a contratação, ele assumiu o protagonismo nas partidas e garantiu vitórias para o Tricolor. Quando marcava gols, o "Ceifador", como era chamado pela torcida, fazia um gesto simulando o corte de uma cabeça. Os torcedores também aderiram às comemorações e em pouco tempo o apelido foi substituindo o nome do jogador no meio esportivo. No total, marcou 34 gols.

PEDRO
​Na mesma época de Henrique Dourado, outro centroavante fez sucesso nas comemorações. Pedro, ou "Don Pedron, apelido que recebeu em alusão a Fred, celebrava seus gols com uma reverência à torcida, que vibrava com o Moleque de Xerém. Em três anos atuando pelo profissional, estufou a rede 31 vezes. 

Gilberto e Nene - Fluminense
Gilberto simula comemoração com Nene (Lucas Merçon/Fluminense)

MARCOS JÚNIOR E GILBERTO
Além de Pedro, outros jogadores marcaram a torcida em 2018. Com apenas 11 gols, Gilberto conquistou a todos ao comemorar gols simulando um capacete de gladiador com as mãos, em alusão ao apelido de Time de Guerreiros. O sucesso foi tanto que o lateral-direito resolveu tatuar na mão uma espécie de armadura para encaixar com a comemoração. Outro foi Marcos Júnior, que fazia o "Kame-kame-ha", do desenho "Dragon Ball-Z", quando marcava. Pelo gesto e semelhança física com o personagem da animação, recebeu o apelido de "Kuririn". 

JOHN KENNEDY E BOBADILLA
​Na última temporada, o Fluminense também teve comemorações icônicas. Em seu primeiro ano no profissional, John Kennedy fez gols e eletrizou a torcida, em especial ao marcar duas vezes no Fla-Flu. Assim como em Xerém, o atacante celebra imitando um urso, que simboliza a "fome de fazer gols", nas palavras do próprio jogador. Outro centroavante a cativar o público foi Bobadilla, que fazia o símbolo do rock com as mãos. Nos dois casos, a torcida interagiu bastante nas redes sociais por causa das celebrações. 

WILLIAN E FELIPE MELO
​Neste ano, os tricolores também embarcaram nas brincadeiras do elenco. Willian, que marcou dois gols até agora, tradicionalmente comemora fazendo o símbolo de um bigode. O que no início era uma homenagem ao pai, virou seu apelido e também já encantou a torcida. Apesar de não ter feito gols, Felipe Melo foi mais um a ter o seu momento. Por ser conhecido como "pitbull", pela postura aguerrida em campo, o zagueiro brinca com o apelido fazendo o "ruf ruf", que a arquibancada adotou imediatamente após sua contratação. 

Felipe Melo e Nino - Fluminense
Nino e Felipe Melo fazem o "Ruf Ruf" (Foto: Reprodução/FluTV)