Fluminense x Vasco - Dodi

Dodi abriu o placar para o Fluminense no clássico com o Vasco (Foto: Lucas Merçon/Fluminense)

Luiza Sá
30/08/2020
07:00
Rio de Janeiro (RJ)

O Fluminense chegou a uma sequência de três vitórias apresentando o melhor futebol desde que retornou da paralisação causada pela pandemia da Covid-19. Caso mantenha os bons resultados, a equipe pode igualar os dois melhores momentos desta temporada, quando engatou quatro vitórias consecutivas logo nas primeiras partidas do ano e depois pouco antes da paralisação. O momento positivo pode ter uma série de explicações, mas os principais muitas vezes passam desapercebidos nos jogos: os volantes Dodi e Yuri.

Silenciosos, os dois foram o grande destaque da vitória por 2 a 1 contra o Vasco, neste sábado, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, impedindo que o time sensação de Ramon Menezes progredisse no campo. Na verdade, Dodi fez até bastante "barulho" no clássico, já que mudou toda dinâmica logo aos dois minutos, quando marcou um golaço que já vinha ensaiando há algumas partidas com um chute forte de fora da área, como contra o Figueirense, Internacional, Palmeiras e Grêmio.

- Estudamos muito o adversário, sofremos um gol muito cedo. Depois, o time conseguiu buscar o equilíbrio e criamos mais. Melhoramos o posicionamento. Tivemos dificuldade para sair jogando de trás. O Fluminense fez pressão forte do Dodi e Yuri. Equilibramos e criamos oportunidades. No segundo tempo, com as trocas, buscamos a vitória o tempo todo - avaliou o treinador do Vasco após o confronto, mostrando a importância dos meio-campistas no resultado.

Na partida contra o Vasco, de acordo com números do "SofaScore", Dodi teve 95% de precisão em passes, duas bolas longas, uma finalização no gol, cinco duelos ganhos no chão, três faltas sofridas, sete interceptações e um desarme. Já Yuri ficou 69 minutos em campo e acertou 89% dos passes, além de dar uma bola decisiva. Foram três bolas longas, uma finalização para fora e uma bloqueada, dois duelos ganhos no chão e um no alto, uma falta sofrida e um desarme.

Assim como Dodi, Yuri não vinha sendo titular até pouco tempo. Ele ascendeu após a lesão de Hudson, que ainda nem havia estreado no Brasileirão, e conquistou a posição. Em sintonia com o companheiro mais próximo, o jogador ocupa bem mais a faixa central do campo e ajuda defensiva e ofensivamente, dando mais qualidade à transição do Fluminense, um dos grandes problemas anteriores.

Para a próxima partida, porém, Odair Hellmann provavelmente terá que voltar a utilizar Hudson na vaga. Isso porque Yuri levou o terceiro cartão amarelo e está suspenso, assim como Igor Julião e Wellington Silva. O confronto, na quarta-feira, será contra o Atlético-GO, às 19h15, no Maracanã. 

- Você busca no trabalho e na progressão do trabalho a base, solidificando os conceitos e a ideia, mas precisa de um grupo qualificado e grande. Porque tem lesões, cartões, determinadas situações que a gente faz a situação. Pela maratona de jogos, para que os jogadores sejam recuperados para atingir a melhor performance. Eu acredito nisso. No primeiro tempo foi excelente. O Vasco tentou equilibrar na parte final, mas criamos duas ou três situações de gol. No segundo tempo o time caiu, não ficou tanto com a bola, mas é justamente pela sequência. Vamos continuar usando todos para que a cada jogo a gente possa entrar com eles 100% - disse Odair após o jogo.