Borja e German Cano

Borja e Cano são os nomes do ataque de Junior Barranquilla e Fluminense (Arte Lance!)

Ana Daróz* e Luiza Sá
12/04/2022
06:00
Rio de Janeiro (RJ)

Depois de um adversário inédito, o Fluminense terá um conhecido pela frente na segunda rodada da fase de grupos da Copa Sul-Americana. Nesta quarta-feira, às 21h30 (de Brasília), o Tricolor vai até o Estádio Metropolitano, na Colômbia, para enfrentar o Junior Barranquilla. Liderado por um velho conhecido do futebol brasileiro, o atacante Miguel Borja, os colombianos vem de três empates, uma vitória e uma derrota nas últimas cinco partidas.

Na atual temporada, o Junior soma 15 jogos pelo Apertura, com sete vitórias, dois empates e seis derrotas. É o atual quinto colocado, tendo marcado 19 gols e sofrendo 16. Na competição, está entre as cinco piores defesas. Na Sul-Americana, fez três partidas, com dois empates e apenas um triunfo. Na primeira fase, passou pelo La Equidad (COL), com um 0 a 0 e um 3 a 1.

Na primeira rodada da fase de grupos, o Junior empatou em 1 a 1 com o Unión Santa Fe (ARG). O gol, contudo, foi mérito do lateral adversário, Federico Vera, que abriu o placar para os argentinos, mas também estufou a rede do próprio clube em uma tentativa de corte. Mesmo com posse de bola equilibrada após os gols, o time não criou chances e foi dominado. Em uma confusão, Gastón (Unión) e Luiz (Junior) González foram expulsos. Em contato com o LANCE!, Paolo Arenas, jornalista colombiano que cobre o Junior Barranquilla, falou sobre as características do elenco. 

- É uma equipe que busca ganhar e não vai ter medo do Fluminense porque já tem experiência na Libertadores, ganhou, inclusive, no Maracanã. O time tem isso mentalizado. Não é porque é um time do Brasil ou tem mais nome, vai jogar para ganhar, até porque sabem que só o primeiro se classifica. Entendem que ganhar é indispensável e sentem que eles e o Flu são os que vão duelar no grupo, é um confronto direto. O time está muito forte - afirmou.

Na atual temporada, o time de Barranquilla não venceu nenhum dos rivais no campeonato colombiano e cometeu três pênaltis até aqui. No total, balançou a rede 23 vezes e sofreu 18 gols. Borja é um dos principais nomes do time, terceiro maior artilheiro do nacional, convocado pela seleção em 2022, marcou um gol na Sul-Americana, sete no Apertura e três nas Eliminatórias.

- São dois que se destacam. Sebástian Vieira, o jogador com mais títulos da equipe, o goleiro e capitão. Joga desde 2011 e é titular indiscutível, o que mais fez partidas pelo Junior. É bom em pênaltis também. O outro é o Borja, jogador da seleção, foi titular nas Eliminatórias - disse Paolo Arenas.

O Junior Barranquilla pode ter alguns problemas para a partida desta quarta-feira e ainda tem um treinamento nesta terça-feira. O principal é Uribe, um dos grandes reforços para a temporada e que ainda não correspondeu à altura do que os torcedores esperavam.

- Ainda não é possível prever uma escalação. O técnico muda muito o sistema tático, os nomes. Fernando Uribe, Fabián Ángel e Nilson Castrillon têm lesões e são dúvidas. Dizem que o Borja apresentou dores no treinamento, mas não creio que seja um problema para a partida. Luis González foi expulso contra o Unión Santa Fe, na primeira rodada da fase de grupos, e está fora - disse o jornalista colombiano.

Se há um setor que o Fluminense pode explorar é a defesa, que sofre com um desfalque e deve dar espaços. Outro fator, que também é algo que gera reclamações por parte dos torcedores do Tricolor em alguns momentos, é sobre recuar. Paolo Arenas destaca que o Junior não costuma fazer muitos gols nas partidas. Foram oito jogos balançando a rede uma vez só, dois sem marcar e oito fazendo dois ou três gols.

- A defesa sempre foi um problema para o Junior, nunca se consolidou. Homer Martínez, o jogador mais sólido nessa zona, se lesionou e não estará disponível até o final do semestre. Isso deixa uma dúvida. Geralmente sofre gols por erros bobos. Quando a equipe está à frente no marcador, o técnico vai recuando. É uma opinião pessoal minha. Parece ordem do treinador, mas pode ser psicológico dos jogadores. É difícil marcar um gol e continuar pressionando pelo segundo - finalizou.

Vale lembrar que o Fluminense nunca venceu o Junior Barranquilla na história. Os primeiros e únicos confrontos foram na Libertadores de 2021. Fora de casa, empate em 1 a 1 com gols de Borja, de pênalti, e Kayky. No Maracanã, vitória dos colombianos por 2 a 1. Abel Hernández fez para o Flu, mas Valencia e Cetré garantiram o resultado. As equipes se reencontram nesta quarta-feira, às 21h30 (de Brasília).

PROVÁVEL ESCALAÇÃO DO JUNIOR BARRANQUILLA
​Sebastián Viera; Fabián Viáfara, Dany Rosero, Jorge Arias, Gabriel Fuentes; Moreno, Giraldo, Edwin Cetré, Yesus Cabrera; Fredy Hinestroza e Borja


*Estagiária sob supervisão de Luiza Sá