Celso Barros

Celso Barros Foto: Armando Paiva/Divulgação

LANCE!
13/08/2019
19:23
Rio de Janeiro (RJ)

O vice-presidente de futebol do Fluminense, Celso Barros, revelou, na manhã desta terça-feira, que o clube segue no mercado em busca de um zagueiro. O dirigente falou após a apresentação do atacante Lucão e evitou nomes, mas garantiu que o clube está próximo de um acerto, depois de não conseguir a liberação do Bruno Fuchs, do Internacional.

– Falei com Rodrigo Caetano. No Inter, eles têm três duplas de zaga. A gente tinha quatro, o Matheus Ferraz machucou. Então, a gente precisa de zagueiro. Continuamos tentando e acho que em breve vamos conseguir. O Presidente veio aqui e falou que tinham dois reforços perto. Um era o Lucão e o outro, um zagueiro. Infelizmente, não deu certo. Por isso, eu não gosto de falar em especulação e em nome. Só está certo quando se assina contrato. O que adianta ficar falando? Só se aumenta a especulação. A torcida tem de entender que estamos fazendo um esforço enorme para trazer um zagueiro – disse.

Antes de tentar a contratação de Fuchs junto ao Inter, o Flu já havia sondado, sem sucesso os zagueiros Ramon, do Vitória e Lucão, ex-São Paulo e atualmente sem clube.

Barros também explicou a opção pelo atacante, que vai usar a camisa 12 e assinou contrato com o Tricolor até dezembro de 2020. O vice-artilheiro da Série B em 2018 chega como solução para a lesão de Pedro e a iminente saída de João Pedro para o futebol inglês. O jogador de 27 anos vai estrear na divisão de elite do futebol nacional.

– Ele foi vice-artilheiro da Série B em 2018 com o Goiás, com 16 gols. O Pedro machucou, vai ficar um período fora. João Pedro tem a projeção de sair ao final de 2019. Então, temos de pensar nisso. Foi uma oportunidade, ele gosta de fazer gol. Isso é fundamental.


Fabiano descartado

Outro nome que esteve na mira da diretoria tricolor, mas já foi descartado foi o do lateral Fabiano, do Palmeiras. As negociações emperraram graças ao interesse dos representantes do jogador de esperar por uma oferta do exterior.

– Fabiano é o seguinte: eu liguei para o Alexandre Mattos, executivo do Palmeiras, com quem me dou muito bem. Ele disse que liberaria, a gente pagaria uma parte do salário. Os empresários do jogador demoraram uma semana e depois disseram que queriam esperar a janela para ver se aparecia algo de fora. Então, desta forma, mesmo ele não conseguindo nada par ir para fora, não tem interesse mais nosso – explicou Barros.