Rogério Ceni - Flamengo x Velez

O técnico Rogério Ceni na estreia do Flamengo na Copa Libertadores (Foto: Juan Mabromata / POOL / AFP)

LANCE!
21/04/2021
00:17
Buenos Aires (ARG)

A estreia do Flamengo na Libertadores de 2021 teve de tudo, inclusive um final feliz. Com gols de Willian Arão, Gabriel Barbosa e Arrascaeta, o Rubro-Negro virou a partida sobre o Vélez Sarsfield, e venceu em Buenos Aires por 3 a 2. O técnico Rogério Ceni, após a partida, preferiu valorizar "as coisas boas", apesar de reconhecer os erros defensivos do time, que saiu atrás do placar pelo quarto jogo seguido. Havia sido assim contra o Palmeiras, Vasco e Portuguesa.


- Normalmente a defesa erra pelo sistema. Com exceção das bolas paradas, logicamente. Você pode nomear jogadores e funções, é o único momento em que a bola está no local. Falhamos realmente na bola parada. Primeiro gol uma roubada de bola nossa, tomamos o contra-ataque. Vejo hoje muito mais mérito a se destacar. Lógico que temos que melhorar o sistema defensivo como um todo, mas vejo muito mais mérito. A única vez que venceu na Libertadores na Argentina foi em 1982. Temos que valorizar as coisas boas - comentou Ceni.

Líder do Grupo G após a vitória na estreia, o Flamengo agora recebe o Unión La Calera, do Chile, na próxima rodada da Copa Libertadores. A partida será no Maracanã, na próxima terça-feira, dia 27 de abril, às 19h15. Antes, enfrenta o Volta Redonda neste sábado, no Maraca, pela rodada final da Taça Guanabara.

Confira outras respostas do técnico Rogério Ceni após a vitória na Argentina:

Sair atrás do placar com gols sofridos no início

O horário que toma o gol é difícil corrigir, mas não ser vazado é preciso melhor. Foi uma bola roubada, tentamos sair no contra-ataque, perdemos, e sofremos o gol. Precisamos diminuir o número de gols sofridos. Não é satisfatório, tínhamos melhorado isso na última temporada e, agora, o número está alto. Vamos procurar melhorar.

Atuação de Diego

Um exemplo de atleta, um exemplo de pessoa. Uma liderança natural, uma voz ativa muito grande no grupo. Ele se encontrou nessa posição. Para mim, seria improvável um jogador de 36 anos jogar com tanta energia nessa posição. Sem bola também. Foi combativo o tempo todo. Arrascaeta fez gol importantíssimo, Gabriel também, Arão... Mas o Diego, no decorrer do jogo, foi muito equilibrado os 90 minutos. Merecedor de estar em campo todo o tempo que ficou. É um exemplo para os demais aqui dentro.