Olimpia x Flamengo

Só alegria: Flamengo deixou Assunção com vários motivos para comemorar (Foto: Cesar Olmedo/Pool/AFP)

LANCE!
12/08/2021
06:00
Rio de Janeiro (RJ)

O artilheiro Gabigol e o técnico Renato Gaúcho fizeram questão de ressaltar a importância de entrar no jogo de volta com o Olímpia, na quarta em Brasília, com a mesma concentração que o Flamengo atuou em Assunção, onde venceu por 4 a 1 e ficou perto da classificação para as semifinais da Copa Libertadores. O discurso é o correto, mas não apaga o óbvio: a atuação no Paraguai foi mais uma prova da força do Rubro-Negro, tido como um dos favoritos desde o início.

O potencial de Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabigol em decidirem partidas foi mais uma vez provado. E isso pode acontecer novamente com o Olímpia, em Brasília na próxima semana, ou mais para frente na Copa, diante de um adversário mais forte. O importante, como disse Renato, é seguir evoluindo.

- Cobro deles (empenho) todos dias, em todos jogos. Não é que jogamos mal, é que o Inter aproveitou as chances. Mas o Flamengo é Flamengo. Quando perde é muito cobrado. O importante é que o time voltou a fazer o que está acostumado três dias depois e conseguiu um grande resultado - analisou.

MARCAS DE DESTAQUE E FIM DO TABU

O jogo no Estádio Manuel Ferreira ainda rendeu marcas individuais e coletivas de destaques. Everton Ribeiro, por exemplo, se isolou como terceiro nome com mais atuações pelo Flamengo na Libertadores. Já Filipe Luís alcançou a 100ª partida vestindo o Manto Sagrado. O lateral está no clube desde junho de 2019.

Vitinho, que fechou o placar aos 45 minutos da etapa final, chegou ao 10º gol na temporada, o que torna 2021 o seu ano mais artilheiro como atleta do Fla.

Renato Gaúcho também teve o que comemorar. Foi a 47ª vitória do comandante na Libertadores, que deixou para trás o uruguaio Luis Alberto Cubilla, e agora está atrás somente de Gabriel Uribe, treinador colombiano.

De quebra, Everton, Filipe, Renato & Cia ajudaram o Flamengo a quebrar um tabu, e vencer o Olímpia pela primeira vez na história da Libertadores. Até então, eram duas vitórias do clube paraguaio e quatro empates em seis jogos.