Eleições - Flamengo

Rodolfo Landim foi reeleito com folga (Foto: Cleber Mendes/LANCEPRESS!)

LANCE!
05/12/2021
06:00
Rio de Janeiro (RJ)

No último sábado, Rodolfo Landim foi reeleito presidente do Flamengo, com 1.301 votos. Dessa forma, o mandatário, que esteve à frente do clube nas campanhas vitoriosas da Libertadores de 2019, do bi do Brasileirão, do bi da Supercopa e da Recopa de 2020, permanecerá no comando até 2024. Por isso, a seguir, o LANCE! traz alguns desafios que a gestão terá nos próximos anos.

> Hugo salva o Flamengo de derrota e mostra que é o futuro do time no gol

O COMANDANTE CERTO

Durante a gestão de Landim, apenas um treinador foi unanimidade no Flamengo: Jorge Jesus. O antecessor do português, Abel Braga, deixou o clube ainda em maio de 2019, e os sucessores Domènec Torrent, Rogério Ceni e Renato Gaúcho foram embora sem deixar saudades. 

Por isso, é essencial que o Flamengo acerte na contratação de um novo nome para comandar o time profissional. O que pode ajudar nesse sentido é o tempo. Com a temporada 2021 na reta final, o departamento de futebol poderá analisar com calma e ir em busca do nome, dentro da realidade financeira do clube, que se adeque com o perfil pedido (saiba a situação dos especulados).

> Veja e simule a tabela do Brasileirão

MERCADO DA BOLA

Além do nome certo, o Flamengo também precisa voltar a acertar nas contratações como fez com Gabi, Bruno Henrique, Arrascaeta e Pedro no passado, por exemplo. Para a temporada 2021, o Rubro-Negro trouxe quatro reforços, mas nenhum deles cumpriu com as expectativas.

Bruno Viana, a primeira contratação, não passou confiança durante todo o ano e, hoje, é a quinta opção para a zaga. Kenedy, a segunda, demorou para ficar em forma e também passa longe de render o que o Flamengo esperava.

A situação já melhorou com Andreas Pereira. O segundo volante conquistou a posição de Diego no time titular, quebrou um jejum de 1.221 dias do sem um gol de falta sequer, mas cometeu o erro que originou o gol da vitória do Palmeiras na final da Libertadores. Por fim, David Luiz tem tido atuações consistentes, mas ainda soma menos de dez jogos pelo time porque sofreu uma lesão na segunda partida que disputou pelo Fla.

Além dos acertos na contratação, o Flamengo também deve olhar a possibilidade de negociar alguns ativos. Rodiniei, por exemplo, é a terceira opção para a lateral-direita e tem proposta do Charlotte FC, dos Estados Unidos. Além disso, após acertar com o novo comandante, é necessário definir quem está e quem não está nos planos da nova comissão técnica - os que ficarem de fora poderão se tornar receita aos cofres do Fla.

REJUVENESCER O ELENCO

Outro ponto importante que requer uma atenção especial é a idade do elenco. Jogadores como Diego, Filipe Luís, Diego Alves, Isla e Everton Ribeiro já ultrapassaram os 30 anos de idade. 

É fato que todos foram importantes para o Flamengo e ainda tem "tanque para queimar". No entanto, para construir uma dinastia, o departamento de futebol precisa pensar à longo prazo. Nesse sentido, é necessário trazer jogadores jovens ao time profissional desde já para que eles estejam prontos para assumir o protagonismo no futuro. 

Olhar para a base também é essencial, uma vez que o clube costuma revelar jogadores importantes no cenário mundial. A equipe sub-17, por exemplo, neste ano, conquistou Campeonato Brasileiro, a Copa do Brasil e a Supercopa do Brasil. Além disso, jogadores oriundos da base, como Hugo e Matheuzinho, tem correspondido à altura sempre que exigidos e já mostraram que podem ser o futuro em suas respectivas posições.

DEPARTAMENTO MÉDICO

Neste ano, o Departamento Médico do clube recebeu inúmeras críticas pela alta quantidade de jogadores que ficavam de fora dos jogos por causa de dores ou de lesões. Somente de julho a novembro, período em que Renato Gaúcho comandou o time, foram cerca de 30 lesões.

Inclusive, ao analisar especificamente o outubro, pode se constatar que o Flamengo teve um "fato novo" a cada dois dias no Departamento Médico naquele mês.

Assim, o protagonismo indesejado alcançado pelo DM em 2021, com o ápice em outubro, deve servir de lição. Embora o calendário da próxima temporada não seja afetado pela pandemia, como no último ano, o Flamengo terá, novamente, uma agenda apertada. Já sabendo disso, o clube tem tempo para traçar um planejamento e garantir que seus jogadores estejam em campo na maior parte de jogos possível.

PROJETO DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA MARCA

Não é novidade que o Flamengo trabalha nos bastidores para internacionalizar a marca. No entanto, com a garantia da mesma chapa à frente do clube por mais três anos, os dirigentes poderão prosseguir com o plano. Assim, o Rubro-Negro espera adquirir 80% das ações da SAD (Sociedade Anônima Desportiva) do Tondela, da primeira divisão de Portugal 

No Flamengo, quem está à frente do projeto é Rodrigo Tostes, atual vice-presidente de finanças. O Rubro-Negro vê a possibilidade com otimismo para a valorização da marca ao administrar o Tondela, presidido por duas pessoas - um mandatário do clube e outro da SAD, a fatia desejada através de investidores recrutados para que receba dividendos.