Fluminense x Flamengo

(FOTO DE MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC)

Fabio Chiorino e Rodrigo Borges 
09/07/2020
07:20
São Paulo (SP)

Quarenta minutos antes do nada. Ou de todas as liminares possíveis. O Flamengo passou o dia tentando reverter na Justiça Desportiva a exclusividade da transmissão do mandante, justamente contrariando a Medida Provisória que ele próprio fez pressão para aprovar junto ao governo federal.


O que estava em jogo no gramado era minúsculo perto do quadro geral, marcado pela prepotência da diretoria rubro-negra, que, em meio à pandemia do coronavírus, venceu a queda de braço pelo retorno precoce e injustificável do Campeonato Carioca, ao mesmo tempo em que travou disputas nos tribunais contra a Rede Globo e rivais.

Em campo, o Flamengo foi lento e previsível, características quase impossíveis de se ver no time de Jorge Jesus. O Fluminense foi organizado e, mesmo com limitações técnicas, soube se proteger e ditar o ritmo da partida. Após o empate por 1 a 1, o Tricolor venceu nos pênaltis diante um Maracanã vazio, mas cheio de constrangimento gerado pelos desencontros nos bastidores e egos inflados de alguns dirigentes.

Mais duas partidas pela frente, em que o Flamengo continua favorito a mais uma conquista. Os últimos suspiros de um campeonato moribundo.

O LANCE! Espresso é uma newsletter gratuita que chega de manhã ao seu e-mail, de segunda a sexta. Leitura rápida, que vai colocar você por dentro das principais notícias do esporte. A marca registrada do jornalismo do LANCE!, com análises de Fabio Chiorino e Rodrigo Borges. Clique aqui e inscreva-se.