LANCE!
05/12/2018
13:30
Rio de Janeiro (RJ)

Sem a conquista de títulos expressivos nos últimos ano, o elenco do Flamengo será reavaliado para a próxima temporada. Chegadas e saídas já são esperadas, mas as mudanças podem mais ou menos significativas de acordo com o resultado da eleição de sábado, na Sede da Gávea, que definirá o mandatário do clube para o próximo triênio. Com o fim do Brasileirão - pondo fim ao frustrante 2018 para a torcida -, o LANCE! preparou uma avaliação dos principais nomes do elenco, já projetando a próxima temporada.

A saída de Lucas Paquetá para o Milan é uma das certezas para 2019. O jovem defenderá o clube italiano a partir de janeiro e sua venda renderá aos cofres do Flamengo cerca de 35 milhões de euros (cerca de R$ 150 milhões), O dinheiro será utilizado para a reposição no meio de campo e reforçar posições carentes. Os atacantes Geuvânio e Marlos, têm seus empréstimos encerrados e deixarão o clube da Gávea sem terem apresentado bom futebol.

Desta forma, com a saída desses três nomes, são aguardados reforços para o ataque, mas o setor ofensivo não é tido como prioridade. Afinal, Vitinho e Uribe foram contratados para o segundo semestre de 2018 e as evoluções dos mesmos no ano que vem, realizando a pré-temporada com o elenco, serão cobradas.

As duas chapas favoritas no pleito - a Rosa, de situação, de Ricardo Lomba, e a Roxa, de oposição, de Rodolfo Landim - entendem que o principal ponto a ser "atacados" é a defesa. No miolo de zaga, o Flamengo conta com três nomes experientes que já conviveram com as lesões em 2018. Juan só teve o contrato renovado até abril para recuperar-se da cirurgia no tornozelo direito, enquanto Réver e Rhodolfo apresentaram uma queda de rendimento.

As opções para as laterais já eram questionadas no início do ano, mas a atual diretoria deu um voto de confiança aos nomes e não trouxe reforços. E apenas Renê termina 2018 em alta, sendo um dos atletas mais regulares do Flamengo em 2018. Todos demais têm o futuro na Gávea em xeque, apesar de terem, ao menos, mais ano um nos respectivos contratos.

As situações indefinidas dos "Diegos" também podem abrir espaço para novas mudanças. O meia pode assinar pré-contrato com outro clube a partir de janeiro e já admitiu que existem equipes interessadas. Inclusive já recebeu propostas. O goleiro, por sua vez, terminou o ano afastado do grupo principal após entrar em atrito com Dorival Júnior e o diretor Carlos Noval.

Veja a situação de cada um:

Diego Alves
Contando com o camisa 1 desde o início do ano, torcida e direção do Flamengo pensaram que o problema na posição estava resolvido. E, até setembro, Diego Alves correspondeu as expectativas. O problema com o goleiro foi extra-campo: ao perder a vaga por lesão, Diego Alves não aceitou ser mantido na reserva, entrou em atrito com Dorival Júnior e o diretor Carlos Noval, terminando a temporada afastado do grupo principal. Com contrato até 2020, o goleiro tem futuro indefinido na Gávea.

César
O camisa 37 aproveitou a brecha e terminou o ano em alta. César recebeu o voto de confiança de Dorival Júnior e atuou nas 12 rodadas finais do Brasileirão. Fora uma falha no clássico contra o Botafogo, o goleiro teve atuações de destaques, sofreu sete gols e ajudou o time a manter-se na luta pelo título nacional. Independentemente da permanência de Diego Alves, César iniciará com um novo status.

Réver
O capitão teve um desempenho abaixo das últimas temporadas e termina 2018 com a titularidade questionada. Foram diversas lesões durante o ano, o que dificultaram a sequência do zagueiro. No Brasileirão, por exemplo, foram 26 jogos. Réver tem mais um ano de contrato e seguirá no elenco, mas pode perder espaço no time principal no ano que vem.

Juan
O zagueiro conviveu com as lesões e atuou em 14 jogos em 2018, mas segue como uma das lideranças positivas do vestiário. Uma grave lesão e a cirurgia no tornozelo direito o afastou das partidas na reta final da temporada. Mas, para recuperar-se plenamente, Juan, de 39 anos, teve o contrato prorrogado até o fim do Estadual e poderá se despedir do Flamengo em campo. Nada mais justo com o ídolo.

Rhodolfo
O camisa 44 iniciou a temporada como titular, mas perdeu espaço na equipe rubro-negra no segundo semestre, também por conta de problemas físicos. Assim como os experientes Juan e Réver, tem vínculo com o Flamengo chegando ao fim em 2019.

Léo Duarte
Uma grande temporada do zagueiro de 22 anos, que termina o ano como titular absoluto e no do time-base do Flamengo para 2019. Com as lesões dos concorrentes, Léo ganhou a vaga com Maurício Barbieri e não largou mais. Foi um 2018 de afirmação para o camisa 43, que atuou em 47 partidas como titular.

Thuler
Aproveitou as poucas oportunidades que teve entre os titulares. Tem qualidade e deve percorrer caminho parecido com o de Léo Duarte. O Flamengo está bem protegido quanto ao promissor zagueiro: Thuler, com passagem pelas seleções de base, tem contrato até julho de 2023.

Rodinei
Foi um dos atletas mais utilizados no Flamengo, com 50 partidas, mas termina o ano como reserva. Chegou até a ser utilizado como meio-campista, entrando durante os jogos, mas não convenceu. Assim como o concorrente na posição, não conta com a confiança dos torcedores, mas tem um longo contrato até 2022.

Pará
Conquistou a titularidade na reta final do ano, mas segue tendo atuações questionáveis. A relação com a torcida já está desgastada e sua permanência será avaliada pela nova diretoria. Seu contrato é válido até dezembro de 2019.

Renê
Um ponto de regularidade no ano de altos e baixos do Flamengo como um todo. Terminou 2018 como o atleta que mais entrou em campo pelo Flamengo e premiado ao fim do Brasileirão, mesmo sem atuações de grande brilho. É consistente no setor defensivo, mas não pode ser a única opção para a lateral-esquerda.

Trauco
Um mero coadjuvante durante todo 2018: 10 jogos, sendo sete como titular. Tem lampejos, com boas assistências, mas falta intensidade e sequência. Tem contrato até dezembro do ano que vem, mas o futebol e as declarações dadas põem em xeque sua permanência na Gávea.

Cuéllar
Sem dúvidas, um dos maiores destaques do Flamengo em 2018. O colombiano termina o ano como xodó rubro-negro pela técnica e entrega em campo. Peça fundamental para o sucesso do time na próxima temporada.

Willian Arão
O volante passou de peça descartada no elenco, no primeiro semestre, a titular com Dorival Júnior no fim de 2018. Os altos e baixos já são uma marca de Willian Arão no Flamengo, que despertou interesse de outros clubes brasileiros durante a temporada. Tem mais um ano de contrato com o Flamengo.

Rômulo
Não faltaram oportunidades ao volante, que termina mais uma temporada em baixa no Flamengo. Difícil de imaginar sua permanência no próximo ano, apesar do contrato válido até dezembro de 2020.

Ronaldo
Promessa da base, o volante terminou o ano sem ter oportunidades. Foram quatro jogos no Estadual e só. Em setembro, Ronaldo, de 22 anos, sofreu lesão no joelho esquerdo, fez uma artroscopia e chegou ao fim de 2018 entregue ao departamento médico.

Jean Lucas
O volante, com qualidade no passe e na marcação, teve boa sequência sob o comando de Maurício Barbieri, mas, após atuação ruim na derrota para o Cruzeiro na Libertadores, no Maracanã, foi preservado pelo técnico e não voltou ao time titular. É promissor e pode crescer ainda mais em 2019.

Piris da Motta
Reforço para o segundo semestre, o paraguaio não atuou tanto quanto a torcida esperava, mas deixa boa impressão para a próxima temporada. A cobrança, por outro lado, será grande para corresponder o investimento de mais de R$ 11 milhões do Flamengo.

Diego
Fez mais um ano como titular do Flamengo. Como um todo, foi regular, mas faltou protagonismo nas decisões, principalmente na Copa Libertadores e Copa do Brasil. Tem contrato até julho e, podendo assinar pré-contrato com outro clube a partir de janeiro, terá permanência discutida com a nova diretoria.

Everton Ribeiro
O camisa 7 fez uma temporada de afirmação no Flamengo, mostrando regularidade e capacidade de brilhar em jogos decisivos, tanto na Copa do Brasil quanto no Brasileirão. Tem vaga garantida na equipe em 2019.

Lucas Paquetá
Caiu de rendimento após ter a venda para o Milan, da Itália, acertada, mas foi um dos atletas mais decisivos do Flamengo em 2018. 12 gols e sete assistências do camisa 11, que, sem dúvidas, fará falta ao Rubro-Negro na próxima temporada.

Matheus Savio
Retornou ao Ninho do Urubu em julho e teve algumas oportunidades. Foi bem no clássico contra o Botafogo, mas perdeu espaço depois. Seu contrato vai até o fim de 2020.

Henrique Dourado
Apesar da artilharia no ano, com 13 gols, o Ceifador fez pouco levando em conta o investimento feito pelo Flamengo no início do ano: cerca de R$ 15 milhões.

Marlos Moreno
Em outubro, marcou seu único gol em 35 partidas pelo Flamengo, pondo fim a um jejum particular que já passava de dois anos. E foi só. O colombiano não terá o empréstimo renovado e deixa o Flamengo.

Berrío
Uma das notícias boas na reta final de ano. Recuperou-se da grave lesão no joelho esquerdo, voltou a jogar bem e iniciará 2019 com moral. Os aplausos recebidos por Berrío no Maracanã, no último jogo do ano, dizem tudo.

Lincoln
O promissor atacante teve mais chances com Maurício Barbieri. Até marcou um importante gol contra o Grêmio, na Copa do Brasil, mas depois perdeu espaço. É cotado para ser a próxima joia rubro-negra a estourar nos profissionais e 2019 pode ser o ano.

Geuvânio
Apesar da insistência dos técnicos, se despede do Flamengo com mais uma temporada ruim. Não deixará saudades entre os torcedores.

Uribe
Outro reforço para o segundo semestre. Só ganhou sequência com a chegada de Dorival Júnior, mostrando evolução técnica, apesar dos gols perdidos. Pode ser uma opção importante na próxima temporada.

Vitinho
O alto investimento e a responsabilidade de substituir Vinícius Júnior só foram mais obstáculos na difícil adaptação do atacante, vindo da Rússia, no segundo semestre. Vitinho teve atuações boas e outras ruins, nada mais natural. Em 2019, tem tudo para ser uma peça importante e decisiva para o Flamengo - e será cobrado para isso.