Team WE x G2 Esports (13/05)

eSports pode virar modalidade olímpica    (Foto: Bruno Alvares, Pedro Pavanato e Colin Young-Wolff/RiotGame)

LANCE!
09/10/2018
15:00
Rio de Janeiro (RJ)

eSports é esporte, e dos mais lucrativos. O que antigamente era só diversão de jovens e adultos passou a ser visto como oportunidade de negócio e arrasta multidões de apaixonados em todos os eventos que envolvem a disputa online. Pensando nisso, uma faculdade de administração lançou um curso com foco nesse modelo de negócio, destinado a executivos, profissionais e empreendedores.

A modalidade cresce de forma vertiginosa, e a projeção é de que os valores movimentados por esse mercado fiquem entre US$ 1,4 bilhão e US$ 2,4 bilhões já nos próximos dois anos, segundo a consultoria especializada Newzoo. O curso da Fundação Instituto de Administração (FIA) promete proporcionar uma visão geral sobre a indústria de eSports, sua importância e as oportunidades para as empresas.

- A exemplo do que ocorre no exterior, com PSG, Manchester City, PSV, Ajax, Valência, que passaram a investir nos eSports de diferentes modalidades, os clubes brasileiros estão enxergando um mercado em ascensão e que pode, por um viés esportivo, agregar marcas, patrocínios, materiais esportivos, entre outros, aponta André Sica, advogado especialista em direito desportivo e atuante nos tribunais da Fifa e CAS (Corte Arbitral do Esporte).

O advogado afirma ainda que o curso vai abordar os aspectos jurídicos dos eSports nas relações entre clubes e atletas, incluindo cláusulas indenizatórias dos contratos e até aspectos ligados ao treinamento e motivação de atletas.

- Há um conjunto de regras a ser respeitado, para maior segurança na vinculação das partes”, complementa Sica, referindo-se à Lei Pelé, que rege o esporte no país. “Muitas regras permeiam a relação entre clubes e atletas, como o período de vigência do contrato, direitos e obrigações de cada parte, remuneração, cláusulas compensatórias etc, finalizou.

Com tanto poder de expansão, o eSports já produz eventos no Brasil e no mundo que vem sendo transmitido ao vivo na televisão e despertando também interesse do Comitê Olímpico Internacional a promover uma série de reuniões com os dirigentes que organizam a modalidade.