Perrella foi apresentado por um Wagner Pires praticamente mudo na sala de imprensa do clube

Perrella e Pires de Sá estivetram juntos no encontro com Alexandre Kalil, pleiteando isensção de ISS-(Bruno Haddad/Cruzeiro)

Valinor Conteúdo
29/10/2019
20:13
Belo Horizonte

Antigos rivais, Zezé Perrella e Alexandre Kalil estiveram reunidos nesta terça-feira para buscar ajuda tributária para o Cruzeiro. Kalil, é o atual prefeito de Belo Horizonte, mas sempre travou embates públicos com Perrella em seu tempo como cartola do futebol. O presidente do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá, também esteve presente no encontro.

A reunião tratou de pendências fiscais da gestão do ex-presidente Gilvan de Pinho Tavares, que comandou a Raposa entre os anos de 2011 a 2017, mas sem mais detalhes. Em entrevista à Rádio Itatiaia, o gestor do futebol cruzeirense disse que o encontro com Kalil foi para pedir isenção do ISS Imposto Sobre Serviços) sobre bilheteria, associados e sócios torcedores.

- Essa luta de não se cobrar o ISS sobre a renda dos jogos é uma solicitação antiga, inclusiva uma briga antiga minha e do Kalil, enquanto ele era presidente do Atlético e eu era do Cruzeiro, porque Belo Horizonte é uma das poucas capitais do Brasil que cobram esse tipo de imposto. E isso não significa nada para a prefeitura e será uma grande ajuda aos clubes. Obviamente, ele vai estudar juridicamente o assunto para ver se tem como resolver. Qualquer pretensão nossa que estiver fora da legalidade, não tem como fazer. Vamos conversar. Conversamos com o prefeito, vamos encaminhar uma reunião com o FUAD e convocar, também, o Atlético e o América para que se unam conosco nessa bandeira. O que se puder fazer, ainda que tenha que aproveitar uma Lei, o prefeito se colocou à disposição para nos ajudar. Hoje em dia, se cobra ISS até sobre o sócio do clube, que usa a piscina, e sobre o sócio torcedor-disse.

O Cruzeiro vive uma grave crise financeira e institucional e, pedido de isenção de ISS poderia ajudar no seu caixa, já que sempre tem de repassar aos cofres públicos parte do que arrecadas nos jogos e nos seus serviços de sócio-torcedor.

A Raposa já antecipou cotas do Mineiro de 2020 e tem comprometida sua receita de TV até 2021 para arcar com despesas do clube, principalmente pagamento de salários. Outra receita comprometida é a cota de patrocínio máster, do banco Renner, com a marca Digimais.


Desde que houve um acordo interno para a saída de Itair Machado e Sérgio Nonato, com o intuito de apaziguar o Cruzeiro, Zezé Perrella tem comandando o clube de fato, apesar de Wagner Pires de Sá ter se mantido no cargo até o fim do seu mandato, em 2020, quando serão realizadas novas eleições.