Dedé expulso

EITAN ABRAMOVICH / AFP

Fabio Chiorino e Rodrigo Borges
20/09/2018
08:35
São Paulo (SP)

O Cruzeiro não jogava bem em La Bombonera e a derrota para o Boca Juniors era justa. Mas aí entrou em ação o árbitro paraguaio Eber Aquino. Foi ele - e não o VAR - o responsável pela absurda expulsão do zagueiro Dedé, que se chocou acidentalmente com o goleiro Andrada. Minutos depois, o Boca ampliou a vantagem e acabou com qualquer chance de reação do time de Mano Menezes, que vai precisar de uma jornada épica para reverter o placar no joga da volta, no Mineirão. A decisão do juiz causou espanto até mesmo entre os veículos argentinos. No lance, nem jogadores do Boca protestaram, tão clara foi a falta de intenção do defensor celeste. Não se pode culpar a tecnologia. Ela estava lá e só escancarou o despreparo (na melhor das hipóteses) de Aquino, que fez uma interpretação livre (leia-se: criminosa) em uma jogada sem discuss alguma. O Santos, culpado e ao mesmo tempo vítima nesta edição do torneio, publicou uma mensagem de apoio ao Cruzeiro em seu perfil no Twitter. Os clubes brasileiros, sozinhos e sem respaldo da CBF, que se cuidem: o VAR da Conmebol é mais político do que técnico. Nada mais previsível diante do histórico da entidade.

Quer ler mais opinião e informação todos os dias? O LANCE! Espresso é uma newsletter gratuita que chega de manhã ao seu e-mail, de segunda a sexta. É uma leitura rápida e saborosa como aquele cafezinho de todos os dias, que vai colocar você por dentro das principais notícias do esporte. A marca registrada do jornalismo do LANCE!, com análises e contextualização de Fabio Chiorino e Rodrigo Borges. Clique aqui e inscreva-se.