Willian, do Cruzeiro, fazendo sinal de bigode

Willian já deixou o Cruzeiro, mas sua compra no passado ainda gera contrarempos ao time celeste-(Foto: Ramon Bitencourt)

Valinor Conteúdo
15/09/2020
16:07
Belo Horizonte

O Cruzeiro deu um passo importante para reverter a punição recebida da FIFA, que proíbe o clube mineiro de registrar novos jogadores por não quitado a compra do atacante Willian Bigode, em 2015, junto ao Zorya da Ucrânia.

A Raposa conseguiu uma prova para reverter a punição. Uma perícia contratada pelo clube azul comprovou que os e-mails enviados pelos ucranianos durante a negociação da dívida foram enviados de uma conta válida, que está cadastradas no sistema da FIFA.

À FIFA, o Zorya alegou que houve falsificação de assinatura e carimbo do clube em uma troca de e-mails com o Cruzeiro, o que gerou a cobrança do débito e o pedido de punição para o time brasileiro.

O conteúdo dos e-mails comprovaram que os ucranianos aceitavam o parcelamento da dívida e que ela paga à empresa Alik Manegement, da Estônia, que seria representante do clube europeu na transação.

O Cruzeiro recorreu e pediu a reconsideração da decisão com base na perícia feita pelo professor Guilherme Rodrigues Pereira, da empresa DGP TI - Soluções em Tecnologia da Informação.

-Trata-se de mais um forte elemento da boa-fé do Cruzeiro, que reforça a veracidade dos conteúdos abordados na formalização do acordo- – disse o clube, em comunicado enviado à imprensa.

Revertendo a situação, o clube azul espera anunciar mais reforços para a Série B e ainda registrar o atacante Ivan Angulo, que voltou ao time mineiro após ser solicitado no Palmeiras. Com o retorno, ele terá de ter novo contrato com a Raposa para atuar pela equipe mineira.