Marcio Porto
13/04/2018
18:12
São Paulo (SP)

Atacante do Internacional, Roger já tem torcida por ele no Corinthians. Ele é muito amigo de Renê Júnior, volante do Corinthians que foi só elogios ao atacante nesta sexta-feira. 

- Sou suspeito de falar do Roger, porque joguei com ele na Ponte Preta, grande jogador, ótimo finalizador. A gente torce para ele chegar. Mas independentemente de chegar ou não, quem entrar dá opção ao time, e a gente vai seguir - afirmou Renê Júnior, perguntado sobre a possível contratação do centroavante.

Renê e Roger jogaram duas vezes juntos na Ponte Preta. A primeira foi em 2012. Depois, em 2016. Fizeram amizade, ao ponto de o volante ter muito contato com a família do ex e, por que não?, futuro companheiro. As negociações entre Corinthians e Internacional estão avançadas.

- Roger fora de campo é um cara exemplar, bastante família. Ele tem uma filha deficiente visual, eu peguei ela no começo, sou amigo dele, da família. Se ele vier é um amigo meu pessoal, tomara, mas não sou eu que decido. Vamos ver se ele vai mandar mensagem depois - afirmou o volante. 

Além de Renê, Roger já conhece outros jogadores do Corinthians. Na Ponte Preta, ele atuou com o zagueiro Marllon, o volante Maycon e o atacante Clayson. É um sonho antigo da diretoria do Corinthians, que agora está prestes a se concretizar. 

Outros trechos da entrevista de Renê Júnior:

Jogar ao lado de Ralf
Joguei contra ele em 2013, jogador de muita qualidade. A gente sabe o que ele representa para o Corinthians, como Cássio, Fagner, Sheik. Ter ele do lado tem uma segurança, mas quem jogar vai procurar dar resultado.

Disputa por vaga de Maycon, que está indo embora
Na nossa posição é muito concorrido. Agora estou podendo voltar, espero continuar com a sequência que eu vinha tendo. Sobre o Maycon, espero que ele continue com a gente enquanto der, mas torcendo para ele, já joguei com ele na Ponte. A gente torce muito por ele

O que muda ao lado de Ralf?
Carille pede para eu encostar mais no ataque, para tabelar. Chegar mais na frente, ajudar os atacantes. Tomara que dê certo.

Mais difícil para o Corinthians este ano?
Sem dúvida, é normal as equipes se redobrarem contra a gente. A sabe que eles virão fechados, mas a gente aposta na nossa força. apoio da torcida. A gente espera jogar nosso futebol dentro de casa.

Volta ao time
Fico feliz de vestir essa camisa de novo, quem tem entrado tem dado conta. Nosso grupo não tem vaidade, é um torcendo pelo outro. Facilita um pouco para o Carille. Não tem jogador insatisfeito, a gente trabalha no dia a dia, cada vez dando mais.