Gabriel - Treino Corinthians

Gabriel comentou sua boa fase no Corinthians e o papel de Vagner Mancini (Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians)

Alexandre Guariglia
27/12/2020
07:00
São Paulo (SP)

O Corinthians entra em campo neste domingo, às 16h, para enfrentar o Botafogo e fazer seu último jogo em 2020, um ano de muitas oscilações, problemas dentro e fora de campo, mas que termina com boas perspectivas para o time. Entre essas boas notícias está a retomada de Gabriel, que tem tido papel de protagonista na equipe, principalmente após a chegada de Vagner Mancini. Ao LANCE!, o volante avaliou sua temporada e sua boa fase no clube.


TABELA
> Veja classificação e simulador do Brasileirão clicando aqui

GALERIA
> Relembre 20 momentos mais marcantes do Corinthians na década

Prestes a iniciar seu quinto ano com a camisa alvinegra, o volante é um dos líderes do elenco, mas não vinha se firmando como titular com Tiago Nunes (com quem teve uma sequência após a pausa por conta da pandemia) e com Dyego Coelho. Mesmo com Mancini, a titularidade demorou a chegar, mas quando chegou, não largou mais e está indo para seu oitavo jogo seguido.

- Eu fico feliz pela sequência, acho que é importante o jogador ter sequência de jogo, você pega o ritmo, isso te dá confiança. Logicamente o Mancini e a comissão técnica me ajudaram muito nisso. Me por para jogar, conversar, melhorar em aspectos, manter o que eu tenho de bom também, então essa conversa, essa abertura no dia a dia, no trabalho, está sendo muito bem feita, e os frutos nós estamos colhendo nos jogos, com resultados bons, com subida na tabela. Acho que a gente está em um nível de poder sonhar com algo maior no campeonato, pelos jogos, pela confiança que estamos, então o Mancini me ajudou muito, nos ajudou muito para esse momento e espero que isso continue - disse o camisa 5 do Timão em entrevista ao LANCE!.

Gabriel será titular do Corinthians mais uma vez neste domingo, às 16h, no Nilton Santos, diante do Botafogo, seu ex-clube, pela 27ª rodada do Brasileirão-2020. Confira a entrevista completa com Gabriel, volante do Corinthians:

Que balanço faz do seu 2020 individualmente? E do Corinthians?
O ano de 2020 foi um ano atípico, em que aconteceram coisas que nós jamais imaginaríamos que pudessem acontecer. Acredito que individualmente foi um ano que eu evoluí muito, que eu cresci muito dentro e fora de campo. Procurei trabalhar muito quando estava na época da pausa, até mesmo antes e depois, trabalhei muito e sempre busquei evoluir, melhorar. Acredito que nós estamos começando a colher os frutos agora com um fim de ano bom, a temporada fecha em 2021, mas a equipe vem crescendo, eu individualmente também. Então faço um balanço de um ano diferente, mas positivo no aspecto de evolução e de qualidade de jogo.

Em algum momento vocês acharam que o rebaixamento era uma realidade? Como foi a conversa dentro do grupo nesses momentos mais difíceis?
Em nenhum momento a palavra "rebaixamento" chegou no nosso vestiário, até porque a nossa mentalidade é de sempre fazer o nosso melhor, vencer os jogos. Lógico que quando os resultados não estavam vindo gerava um pouco de dúvida da nossa parte, o que nós tínhamos que fazer para melhorar, para evoluir, para os erros não acontecerem mais. Acredito que nós entramos no trilho, conseguimos uma forma legal de jogo, um entendimento melhor da partida, momentos que tem que atacar, saber como atacar, momento que tem que defender, saber como defender, jogar cada jogo, cada jogo tem uma história, então nós temos que ter essa maturidade suficiente para entender o mais rápido dentro da partida para poder vencer. Acredito que a equipe encontrou isso e em nenhum momento usou essa palavra negativa lá dentro, até porque o Corinthians tem que pensar grande, pensar em coisas maiores.

Depois dessa fase ruim, o Corinthians se recuperou e hoje já sonha com a parte de cima da tabela. Como fazer para a empolgação não tomar conta? E qual você acha que é a realidade atual do time na tabela do Brasileirão?
Muito bom que nós conseguimos subir na tabela, vencendo jogos, conquistando pontos importantes no campeonato, para poder sonhar sim com coisas grandes. Vejo que nós estamos em uma de ideia de jogo a jogo, então todo jogo é uma decisão, até por ser um campeonato de pontos corridos, os mesmos três pontos que você ganha em um clássico, você ganha em outros jogos também. Nós estamos no caminho certo, mirando uma vaga na Libertadores, até coisas maiores, mas logicamente como eu disse, passo a passo, entender a nossa realidade e saber que nós estamos no caminho certo.

Hoje o Corinthians parece ter um padrão de jogo. Qual foi a mudança que o Mancini trouxe que você acredita ter sido essencial para esse bom momento?
Acredito que a sequência é muito importante, até para você conhecer mais o companheiro com quem você está jogando do lado, logicamente a gente não tem um grupo só de 11 jogadores, e sim é um elenco que todos tem capacidade de poder jogar, mas é importante a sequência, é importante o entendimento do jogo. Então o Mancini tem um papel fundamental nesse nosso crescimento no campeonato, até por saber administrar muito bem isso e usar os jogadores de uma maneira inteligente, da maneira que ele entende de futebol e tenho certeza que está dando certo e, como eu disse, é caminho certo, é o jogo a jogo, e esse é o nosso objetivo.

Você tem participado mais das ações ofensivas. Isso é uma orientação do Mancini ou você está se sentindo mais confiante para executar essas funções?
Acho que os dois. É uma orientação do Mancini, de chegar mais à frente e também estou me sentindo mais confiante no jogo, isso te dá mais liberdade de chegar mais. Tem também o entendimento dos outros companheiros, se um pisar na área, o outro fecha na minha para fazer eu atacar marcando com qualidade, então esse entrosamento, esse ajuste, estão sendo melhor a cada dia, eu estou muito feliz com esse momento e espero manter por muito tempo.

Você tem sido o volante com mais passes certos por jogo neste Brasileirão com 36,2 toques por partida (86% de eficiência) e é o jogador que mais desarma no elenco, com 2,4 desarmes por jogo, segundo o SofaScore. Como avalia isso?
​Acredito que é o trabalho, que é repetição, que é o dia a dia, o meu esforço, estudo muito futebol, vejo meus jogos incansavelmente depois, estou sempre atento a todos os detalhes de uma partida, do que eu preciso melhorar, do que eu preciso manter também para elevar meu nível de jogo. Então acredito que os números estão aí, são importantes, até porque isso é a realidade do que acontece, mas como eu disse, com pés no chão, com trabalho, com dedicação, esses são os pontos fundamentais para a gente estar sempre brigando lá em cima, sempre ter estatísticas boas, lógico que estatísticas são números, mas o que mais importa são as vitórias e ajudar a equipe a conquistar os objetivos finais, que são coisas grandes dentro do campeonato.