Duílio Monteiro Alves - Corinthians

Presidente do Timão quer um novo centroavnte (Foto: José Manoel Idalgo/Ag. Corinthians)

Rafael Marson
23/01/2022
06:30
São Paulo (SP)

Enquanto a torcida do Corinthians aguarda ansiosamente pelo sonhado centroavante de peso, a diretoria do clube trabalha sob o mantra de paciência  e responsabilidade no mercado, mesmo há poucos dias para a estreia no Paulistão, terça-feira (25), diante da Ferroviária.

> GALERIA: Timão ativo no mercado para “se livrar” de atletas fora dos planos

Com as chances de Diego Costa defender as cores do Timão descartadas, o presidente do clube, Duílio Monteiro Alves, foi categórico em entrevista ao "ge", afirmando que ainda busca um atacante de peso.

- Tenho parceiro para ajudar no Diego, mas que pode ajudar em outro atleta. Mesmo tendo patrocinador pagando, não tem porque não ter responsabilidade. O Corinthians segue no mercado, estudando, sem pressa, da mesma forma que fizemos no ano passado. Não tem problema. Estou aqui representando um clube gigante, sei que querem um camisa 9 de alto nível. Vamos trazer, buscamos um jogador de peso, mas é preciso ter paciência. É na hora certa de fazer, que se encaixe no planejamento. Mas que seja dentro do que entendemos ser um bom negócio - disse o mandatário.

Na última semana, Duílio admitiu sondagens e formas de tornar o negócio por Cavani realidade. Na mesma coletiva, ele disse ser improvável que o atacante venha para o Brasil. O tom pessimista do mandatário não mudou, principalmente para não iludir a torcida, mas ele ainda não descartou o negócio pelo uruguaio.

> TABELA: Confira e simule os jogos do Timão no Campeonato Paulista 2022

- Não dá para prever nada. Ele pode continuar por mais dois anos ou três (na Inglaterra). Ele pode sair de lá agora. Qualquer coisa que eu falar pode gerar uma expectativa e frustrar a torcida lá na frente. Eu tenho que buscar o que tem de melhor no mundo. Posso não conseguir, mas vou tentar. Minha obrigação é de ir atrás do que tem de melhor - afirmou.

Buscando nomes consolidados e "cascudos" para a posição, o Corinthians adotou um modus operandi no mercado para não se complicar financeiramente: o clube não tem ido atrás de jogador no mercado, tem aguardado liberações contratuais, como aconteceu com Paulinho.

No caso do novo camisa 15, o Grupo Taunsa está ajudando em boa parte dos vencimentos do meia, e o Timão busca estreitar os laços da parceria com a empresa de agronegócios para viabilizar a chegada de um centroavante.

- As marcas querem um nome de impacto, para ter retorno de marketing. Por isso esse perfil de compra não se encaixa. Tem que ser um jogador com muita mídia, para o patrocinador pagar o salário, que é o que estamos conversando. Jogador mais jovem, sem essa marca, precisaria se encaixar dentro da nossa folha. Existe a possibilidade, pode ser que faça a contratação sem direito econômico, e isso o Corinthians faria sozinho, mas com um valor de salário encaixando dentro da folha para não sair do orçamento - concluiu Duílio ao "ge".

Na visão de Duílio, para o parceiro ajudar na negociação, o jogador deve possuir um grande atrativo no quesito de marketing, e essa foi uma das barreiras na qual o clube esbarrou quando demonstrou interesse por Arthur Cabral, do Basel, da Suíça.