LANCE!
15/09/2020
16:43
São Paulo (SP)

Nesta terça-feira, em entrevista coletiva virtual, Andrés Sanchez falou pela primeira vez sobre o episódio de intimidação de torcedores em cima do elenco do Corinthians, no último domingo, no Aeroporto de Guarulhos. Para o presidente, o que aconteceu foi uma emboscada, algo que deixou os jogadores abalados. No entanto, ele não expôs quais medidas serão tomadas pelo clube.

Na última segunda-feira, o Timão já havia emitido uma nota oficial manifestando repúdio ao episódio, que ocorreu no desembarque da delegação alvinegra no saguão do aeroporto, a caminho do ônibus que levaria o grupo para o CT Joaquim Grava. Segundo o mandatário, a situação foi absurda.

- Primeiro que realmente é lamentável, até porque nós, historicamente, sempre atendemos os torcedores. No Corinthians você sempre é cobrado, agora, ser intimidado, ameaçado, isso não faz parte da torcida do Corinthians. Fazia anos que não acontecia isso. Foi uma emboscada. A própria polícia, seguranças do aeroporto e do clube, falaram que tinham doze pessoas, pedimos para sair pela pista, mas não permitiram. Saímos e, infelizmente, houve aquele absurdo, que não condiz com a torcida do Corinthians - afirmou, antes de completar:

- Obviamente que os jogadores estão muito assustados e tristes, eu também. No dia seguinte ficar ameaçando jogador e familiares, é ridículo. Nas redes sociais não se sabe quem tá falando, isso é muito ruim. Os jogadores estão se recuperando.

Para Andrés, o que ocorreu no domingo, após a derrota para o Fluminense, no Maracanã, não se tratou de um protesto, mas sim uma intimidação, o que foi lamentado por todos, já que, segundo o presidente, a torcida sempre teve abertura dentro do clube para se manifestar e se colocar, mas não assim, além disso, fazia tempo que um revolta desse tipo não acontecia no clube.

- Felizmente não houve agressão física, mas não foi protesto e nem cobrança, foi intimidação, isso deixou nós todos magoados, até pela abertura que os torcedores têm. Se fosse um protesto seria muito bem recebido, mas foi intimidação, isso incomodou todo mundo. Quando desembarcamos a segurança do aeroporto disse que poderíamos sair tranquilamente. Pedimos para sair pela pista, não deixaram, aí de repente aparecerem trinta pessoas.

- O que eu vi e ouvi foi dedo na cara, xingamento e uma cobrança desproporcional. No Corinthians, sendo a favor ou contra, sempre atendemos quem pediu para falar. Nos sentimos muito incomodados pela intimidação que sofremos, esperava que nunca mais aconteceria isso no Corinthians. Ser cobrado é até bom, mas da maneira que foi... acredito que fora a invasão do CT, na época, fazia muito tempo que não havia uma intimidação dessa. Protesto tem que fazer, é democracia. Mas não achamos que foi no momento certo e nem da maneira correta - concluiu.

Confira outros trechos de Andrés em relação ao protesto de domingo:

COBRANÇAS EM CIMA DE CÁSSIO
Lamentável. É um dos mais respeitados aqui dentro, exemplar, espero que a gente se recupere o mais rápido possível. Confiamos no elenco. Estamos passando por dificuldades, mas esperamos que isso vire. Futebol é assim, vira de um dia para a noite. Depende de nós e dos atletas

DIFICULDADE PARA CONTRATAR TREINADOR POR CAUSA DO EPISÓDIO
Por causa da pressão, não. Quem vem trabalhar no Corinthians sabe que tem pressão. O problema é que, nos últimos anos, não acontecia mais isso no Corinthians. Domingo foi intimidação, e obviamente quem vê aquilo pensa mais sobre vir. Não houve agressão física, mas houve muita agressão verbal, muito acima do limite

Coletiva Andrés Sanchez
Andrés lamentou os protestos (Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians)