Warley - Botafogo

Warley em ação pelo Botafogo (Foto: Vítor Silva/Botafogo)

Sergio Santana
11/06/2021
06:00
Rio de Janeiro (RJ)

É mais tranquilo trabalhar com uma vitória nas costas. Esse é o clima para a semana no Botafogo, que derrotou o Coritiba no último fim de semana e se prepara para enfrentar o Remo, no próximo domingo, pela 3ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

+ E o camisa 10? Botafogo tem nomes oferecidos, mas age com cautela por possível nome da posição

Após um empate na estreia e uma campanha marcada pela irregularidade no Campeonato Carioca, Warley viu o triunfo com bons olhos. Em entrevista exclusiva ao LANCE!, ele valorizou este clima mais leve.

– A semana inicia bem, a gente sempre quer vencer. Foi um jogo difícil, a gente procurou errar menos e melhorar mais. Graças a Deus deu tudo certo na partida, todo o grupo foi bem. Estou me adaptando na lateral, jogo nessa posição de origem, mas estava sempre jogando na ponta. Na lateral estou me sentindo bem e onde me botarem para jogar eu estou jogando - afirmou.

Warley na lateral. Essa tem sido uma das facetas do Botafogo nos últimos jogos. O camisa 25 começou a temporada sendo titular na ponta, mas atuou na linha defensiva na final da Taça Rio, diante do Vasco, porque Jonathan, titular da posição, estava machucado. Desde então, mesmo com a chegada de Daniel Borges, não saiu mais.

O próprio jogador enxerga uma possível sequência na posição, retornando às origens da carreira, quando começou como lateral-direito nas categorias de base do Santa Cruz. Warley afirmou que o desejo é ficar na linha de defesa.

– Chamusca conversou comigo que ele quer que eu fique como um ala, jogando mais à frente (da linha defensiva), atacando mais, cruzando essas bolas rápidas para o ataque chegar fazendo gols. Ele procura falar sempre falar comigo, me manda ir para cima, subir mais um pouco, mas me cobra muito para defender também - confessou.

O LANCE! apurou que Warley foi o jogador do Botafogo que mais correu em altíssima intensidade na partida contra o Coritiba. No sentido de distâncias percorridas em geral, o lateral-direito ficou atrás apenas de Rafael Navarro. O atleta afirmou que vir da linha de trás favorece a velocidade, uma das suas principais características.

– Estou me sentindo bem na lateral, estou 'firmasso'. Tenho que botar na minha cabeça que preciso de boas atuações e buscar melhorar na posição. Quero ser um lateral que dá muitas assistências, vai para cima e fique sempre atacando. Jogar mais atrás acaba me favorecendo, até porque no 'um dois' eu já passo no ponta 'voado' para fazer o cruzamento - analisou.

Warley - Botafogo
Warley pelo Botafogo (Foto: Vítor Silva/Botafogo)

As conversas com Marcelo Chamusca são praticamente diárias. A concorrência na posição vai aumentar, já que Daniel Borges está se ambientando e Jonathan se recuperando de lesão. Mesmo assim, Warley valoriza o contato com o treinador e afirma que o grupo o apoia.

+ Ronald supera adaptação e vira boa arma ofensiva do Botafogo

– Nós nos entendemos, o grupo é fechado com ele. Está sempre passando melhoria para a gente nos treinamentos, o que tiver que reclamar, reclama... Quando tem que elogiar, elogia. Mas estamos fechados com ele. Ele é paizão e às vezes dá bronca, xinga com o intuito de cobrar, melhorar. É um cara cobrador e gosta de brincar na hora certa. Ele é do bem - colocou.

O segundo gol do Botafogo diante do Coritiba, marcado por Chay, tem participação direta de Warley, que sai do campo de defesa até o ataque para dar a assistência. O jogador falou que este tipo de jogada é um dos pedidos do treinador Marcelo Chamusca.

– Ele sempre pede que eu ataque e chegar na área para fazer essa bola rápida. A jogada do gol do Chay começa comigo, roubamos a bola, o Oyama toca para o Ronald, ele me dá a bola e eu cruzo. O melhor jeito é a correria. Ele sempre pede para explorar nossa velocidade, o Ronald, que tem um 1x1 bom, um baixinho rápido demais, atacar linha, pede para atacar pelos lados, evitar pelo meio - completou.