Botafogo - torcida e Textor

Torcida do Botafogo está eufórica com o futuro do clube sob o comando de John Textor (Foto: Vitor Silva/Botafogo)

Felipe Melo
18/05/2022
07:30
Rio de Janeiro (RJ)

O Botafogo vive em estado de graça com a simbiose entre a nova era do clube (SAF e investimentos de John Textor) e a torcida. O início do Brasileirão reflete a confiança dos torcedores no futuro, que promete ser glorioso. No G4 da competição, o Alvinegro é o quarto colocado em média de público (com 31.749) e a tendência é que o Nilton Santos tenha ainda mais a 'casa cheia' com o crescimento da equipe na tabela. 

+ Relembre o desempenho do Botafogo em cada edição do Brasileirão por pontos corridos

Em três partidas como mandante (contra Corinthians, Juventude e Fortaleza), o time de General Severiano contou com a presença de mais de 95 mil torcedores (95.248), no Nilton Santos. Com esses números, o clube, então, obteve o lucro de R$ 1,5 milhão e mostrou que o Estádio pode ser rentável e ajudar a equipe na campanha.

+ Confira e simule a tabela do Campeonato Brasileiro 


Uma conjunção de fatores explicam o momento de euforia que vive o clube e sua torcida. Foram anos de sofrimento, afundado em dívidas e sem qualquer perspectiva de futuro. A escassez de investimento para alçar voos maiores fez com que a equipe fosse rebaixada em três oportunidades e os momentos de lampejos (boas campanhas) fossem esporádicos. 

Com a transformação para SAF, os investimentos de John Textor trouxeram um novo frescor com a chegada de reforços mais qualificados. Além de se mostrar forte no mercado, o Botafogo contratou um treinador experiente e com uma visão diferenciada de futebol. O projeto ainda está no início, mas é promissor e faz os botafoguenses sonharem com a conquista de títulos importantes.

+ Botafogo anuncia venda de modelo especial do uniforme com a marca 'Glorioso' a partir de junho

Logo na estreia pelo Campeonato Brasileiro, contra o Corinthians, a equipe colocou em campo vários de seus reforços. Apesar do revés, quase 37 mil torcedores estiveram no Nilton Santos. O duelo gerou mais de R$ 769 mil de lucro aos cariocas.

Diante do Juventude, às 11h de um domingo, o público girou em torno de 34 mil, com mais de R$ 621 mil de lucro. No último final de semana, mais de 23 mil torcedores estiveram no estádio para uma bonita festa e acompanharam o triunfo sobre o Fortaleza, que rendeu quase R$ 121 mil de lucro para o clube.

Cabe ressaltar que os cariocas ocupavam a terceira melhor média de público, porém foram ultrapassados pelo Ceará. O Vozão empatou com o Flamengo, no Castelão, no último sábado, e teve o expressivo público de 52.139. O Glorioso terá pela frente dois jogos fora de casa, contra América (MG) e Coritiba, e só volta a atuar em casa em junho, diante do Goiás, com promessa de casa cheia.

+ Vítor Severino vê identidade sendo construída no Botafogo: 'Não queremos nunca uma equipe reativa'

Em seis rodadas, o clube retornou ao G4 depois de quase três anos e está embalado. Desde a chegada do técnico Luís Castro, o time não foi derrotado e conquistou dois triunfos seguidos no Brasileirão. O português não estava à beira do campo na estreia contra o Corinthians. 

No fim do jogo de domingo, John Textor não conteve a emoção e interagiu com a torcida esbanjando simpatia. O encontro contou com selfies e o carismático investidor balançando o bandeirão da estrela solitária. Uma sinergia que vai além do campo e um encontro que tem tudo para resgatar de vez um gigante do futebol brasileiro. 

Confira as médias de público do Campeonato Brasileiro 2022

1º - Flamengo:
média de 59.888 em três partidas
2º - Ceará: média de 36.361 em três partidas
3º - Corinthians: média de 33.539 em duas partidas
4º - Botafogo: média de 31.749 em três partidas
5º - Palmeiras: média de 28.993 em quatro partidas 
6º - São Paulo: média de 28.287 em três partidas 
7º - Internacional: média de 23.691 em três partidas 
8º - Atlético-MG: 23.220 em quatro partidas
9º - Fortaleza: média de 21.898 em duas partidas
10º - Coritiba: média de 20.097 em três partidas
11º - Athletico-PR: média de 17.429 em três partidas
12º - Fluminense: média de 14.584 em três partidas
13º - Goiás: média de 11.366 em três partidas
14º - Santos: média de 10.227 em três partidas 
15º - Cuiabá: média de 7.654 em duas partidas
16º - Avaí: média de 7.216 em quatro partidas 
17º - RB Bragantino: média de 6.794 em quatro partidas 
18º - Atlético-GO: média de 6.784 em três partidas 
19º - Juventude: média de 4.853 em três partidas
20º - América-MG: média de 1.996 em duas partidas