Fernanda Teixeira
04/04/2019
23:35
Rio de Janeiro (RJ)

Não foi dessa vez que o Botafogo conseguiu apagar a má impressão deixada no Campeonato Carioca diante de sua torcida, no estádio Nilton Santos. Em um jogo que perdeu muitos gols, um deles claro com Kieza, o Alvinegro ficou no empate em 1 a 1 com o Juventude, nesta quinta-feira, na partida de ida da terceira fase da Copa do Brasil. Paulo Sérgio abriu o placar para os gaúchos, ainda no primeiro tempo e Erik, de pênalti, igualou o placar na segunda etapa.

O jogo da volta será na próxima quinta, em Caxias do Sul. Não há gol qualificado no torneio, assim, os dois times jogam pela vitória. Um novo empate leva a decisão da vaga para os pênaltis.

Retranca gaúcha
Diante de um bom público no Nilton Santos, o Botafogo teve dificuldades para furar a bem organizada defesa do Juventude nos primeiros minutos de jogo. O Alvinegro demorou dez minutos para ter a primeira chance de perigo na partida, em um contra-ataque em que Pimpão se enrolou com a bola. Dois minutos depois foi a vez de Marcinho arriscar um chute de fora da área que para defesa de Marcelo Carné, um dos melhores jogadores em campo. O meio-campo dos donos da casa era lento e demorava ao fazer a transição com os homens de frente. O Botafogo abusava dos lançamentos longos como recurso ofensivo e os laterais Marcinho e Jonathan subiam bastante ao ataque.

Apagão coletivo
Os gaúchos esperavam com paciência as melhores chances de contra-atacar e a primeira chance do time visitante veio na bola parada, aos 19 minutos. Após cobrança de escanteio, a zaga do Botafogo viveu uma espécie de apagão coletivo e não marcou o atacante Paulo Sérgio, que apareceu sozinho no segundo pau para abrir o placar de primeira. O ex-flamenguista comemorou com o gesto do "chororô".

Clima quente e expulsões
Atrás no placar, o Alvinegro sentiu a pressão da torcida que esperava uma redenção do time após a vexatória eliminação no Campeonato Carioca. O time de Zé Ricardo pressionava pelo empate, mas esbarrava em um futebol pobre e no nervosismo. João Paulo teve a melhor chance ao emendar de primeira um cruzamento de Marcinho, aos 28. Minutos depois, o camisa 10 alvinegro seria protagonista por outro motivo. Ao ser impedido de cobrar falta rapidamente no meio de campo, se envolveu em confusão com Paulo Sérgio e agrediu Denner. O meia do Bota e o autor do gol foram expulsos pelo árbitro Flávio Rodrigues de Souza.

Pênalti e empate
Na volta do intervalo, o Botafogo foi com tudo para cima do Juventude e o talento de Erik fez a diferença. Logo nos primeiros minutos o atacante escapou em velocidade pela esquerda e foi derrubado por Carné dentro da área. Ele mesmo converteu a penalidade, igualando o placar e dando fim a um jejum de cinco jogos. A partir daí o jogo ganhou intensidade e virou ataque contra defesa. Cícero e Pimpão, duas vezes cada, ficaram perto de marcar o gol da virada.

Pressão no fim
Com o time de Caxias do Sul errando muito, Zé Ricardo colocou Luiz Fernando e Kieza para aproveitar o momento favorável na partida. O time de Marquinho Santos, no entanto, conseguiu esfriar o jogo na base da cera. Diego Souza teve boa chance de cabeça aos 34. Logo depois, Kieza desperdiçou a melhor chance do time ao chutar para fora livre, sem goleiro, após bela jogada do time. Decepção e muitas vaias no Nilton Santos.


FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 1 X 1 JUVENTUDE


Data/Hora: 04/04/2019, às 21h30 (de Brasília)
Local: Estádio Nilton Santos, Rio de Janeiro (RJ)
Gramado: Bom
Público/Renda: Presentes: 21.839 / Renda: R$ 489,982.00
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP) Nota L! - 6,5: acertou nas expulsões e na marcação do pênalti
Auxiliares: Alex Ang Ribeiro (SP) e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP)
Cartões amarelos: Jonathan, Marcelo Benevenuto, Gustavo Bochecha (BOT); Rafael Jataí, Marcelo Carné, Moisés Gaúcho (JUV)
Cartões vermelhos: João Paulo (37’/1ºT) e Paulo Sérgio (37’/1ºT)

Gols: Paulo Sérgio (19’/1ºT, 0-1), Erik (5’/2ºT, 1-1)

BOTAFOGO: Gatito Fernández; Marcinho (Luiz Fernando, 20’/2ºT), Marcelo Benevenuto (Gustavo Bochecha, 36’/2ºT), Gabriel e Jonathan; Alex Santana, Cícero e João Paulo; Erik, Rodrigo Pimpão (Kieza, 28’/2ºT) e Diego Souza. Técnico: Zé Ricardo.

JUVENTUDE: Marcelo Carné; Vidal, Sidimar, Genílson e Eltinho; Moisés Gaúcho (Bruno Camilo, 43’/2ºT), Rafael Jataí, Lennon (Breno, 21’/2ºT), Denner (Aprile, 31’/2ºT) e Dalberto; Paulo Sérgio. Técnico: Marquinhos Santos.