América-MG x Botafogo - Hugo

Botafogo joga mal e perde para o América-MG no jogo de ida das oitavas da Copa do Brasil (Foto: Vitor Silva/Botafogo)

Felipe Melo
01/07/2022
05:01
Rio de Janeiro (RJ)

Em meio à série de desfalques, o Botafogo sucumbiu diante de um América-MG mais competitivo e letal na jogada aérea. O sistema defensivo alvinegro teve uma noite para esquecer e voltou a ser frágil na marcação e a conceder espaços para cruzamentos. Com o pesado revés pela Copa do Brasil, ficam algumas lições para a sequência da temporada e a necessidade de reforços. 

+ Campeões de 2002 recebem homenagem da CBF pelos 20 anos do penta


O CLAMOR POR REFORÇOS E UM TIME MAIS QUALIFICADO


Não há como negar que o elenco do Glorioso tem lacunas que precisam ser preenchidas.
 
Almejando voos maiores, o grupo ainda está longe do ideal e a oscilação em campo já era esperada antes do reforços da janela de julho. O desempenho, porém, pode ser melhor e faltou equilíbrio entre os setores para fazer um jogo mais 'parelho' com os mineiros. 

+ Confira e simule a tabela da Copa do Brasil 

O elenco, que já não é numeroso, ainda sofreu baques com as ausências de dez jogadores, sendo três deles titulares nas últimas partidas. Erison, Lucas Piazon e Victor Cuesta não puderam estar em campo, o que dificultou ainda mais a escalação de Luís Castro. O português optou por manter a trinca de zagueiros, que havia dado certo contra São Paulo e Internacional.

BOLA AÉREA MORTAL E DESATENÇÃO TOTAL

Todavia, faltou a vibração dessas duas partidas e mais atenção nas bolas alçadas na área. Os alas (Daniel Borges e Hugo) não foram efetivos na marcação e deram liberdade para os jogadores de lado de campo. Patrick, por exemplo, fez o que quis sem ser incomodado por qualquer jogador alvinegro.

+ ATUAÇÕES: Defesa tem fraco desempenho em noite desastrosa do Botafogo pela Copa do Brasil

Tanto que no primeiro gol, a bola viajou por toda área até encontrar Everaldo. O atacante não desistiu da jogada ao contrário de Hugo, que não fez o desarme. Então, ele só teve o trabalho de rolar para Patrick. O jogador fez o cruzamento, na medida, para Weillington Paulista carimbar a lei do ex. 

MATHEUS NASCIMENTO TENTOU DAR ESPERANÇA

O único bom momento do Botafogo no jogo passou pelos pés do jovem Matheus Nascimento. Em dois momentos, ele estremeceu a trave da meta americana, o que poderia fazer com que os cariocas entrassem no jogo. No meio desses lances, o árbitro Jean Pierre Gonçalves Lima anulou, corretamente, um gol dos donos da casa.

+ Textor responde a pergunta sobre Neymar no Botafogo: '2% de probabilidade? Por que não?'

Novamente por cima, Danilo Avelar se antecipou e deixou Kanu para trás. De cabeça, o atleta colocou a bola no fundo da rede de Gatito, que nada pôde fazer. O paraguaio ainda teve que trabalhar em dois lances que resumiram o domínio dos mineiros. O América poderia ter saído do primeiro tempo com uma vantagem maior, enquanto o Alvinegro ficou nas cordas sem poder de reação. 

DESFALQUES, DESERTO DE IDEIAS E FRAGILIDADE EXPOSTA

No segundo tempo, Luís Castro fez várias alterações e desfez o esquema com três zagueiros. Diego Gonçalves foi o que entrou melhor. O atacante construiu duas jogadas de perigo, mas ficou em campo em apenas 19 minutos, visto que voltou a sentir a posterior da coxa. Tirando isso, o Botafogo foi um deserto de ideias e não teve criatividade e contundência para pelo menos diminuir o placar.

+ Diego Gonçalves volta a sentir dores na coxa e atua por apenas 19 minutos contra o América-MG

O terceiro gol saiu mais uma vez de uma bola alçada na área, que encontrou Alê para colocar uma mão na vaga. O jogo de volta será dentro de duas semanas, e para o Botafogo ainda sonhar com a vaga tudo precisa mudar. Até lá não terão reforços, mas pode ter a volta dos desfalques e com eles, quem sabe, o retorno de um time mais atento e competitivo.