Alberto Valentim - Botafogo

Alberto Valentim é o treinador do Botafogo (Foto: Vítor Silva/Botafogo)

Sergio Santana
02/12/2019
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Alberto Valentim será forçado a fazer uma mudança na equipe titular do Botafogo. Sem Alex Santana, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, o técnico possui alternativas opostas para moldar o meio-campo do Alvinegro na partida contra o Atlético-MG, na próxima quarta-feira, às 19h30, no Mineirão, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Há seis partidas - desde o revés por 1 a 0 para o Flamengo, especificadamente -,  o meio-campo do Botafogo é escalado com Cícero, João Paulo e Alex Santana. Na formação escolhida por Alberto Valentim, o primeiro fica mais recuado, à frente dos zagueiros, enquanto os outros dois aparecem em zonas mais avançadas do setor. O trio, portanto, havia se solidificado no time titular. 

Alex Santana é o volante pela esquerda. Geralmente, é o que mais avança ao ataque. Não há, no elenco do Botafogo, outro jogador com as características do camisa 10 e, consequentemente, o setor passará por mudanças táticas. Resta saber se Valentim, neste contexto, assumirá uma postura mais ofensiva, com um atleta mais avançado, ou mais conservadora, com um jogador focado no trabalho defensivo.

As primeiras opções são Leonardo Valencia e Jean. Justamente dois jogadores que entraram durante a partida contra o Internacional, na rodada passada. Na entrevista coletiva após o duelo, Alberto Valentim explicou que a substituição do chileno teve o objetivo de ter melhora no passe, enquanto o brasileiro entrou no lugar de Cícero para compensar a mudança anterior e equilibrar o time em termos de ataque e defesa dentro de campo.

Leo Valencia, meia de origem, seria a opção para espaçar o campo e ter uma equipe mais ofensiva contra o Atlético-MG. Neste cenário, Cícero e João Paulo recuariam, enquanto o chileno assumiria um setor avançando, transformando a equipe em um 4-2-3-1. 

Com Jean, Valentim teria mais um volante marcador para atuar ao lado de Cícero - neste caso, a tendência é que João Paulo e os laterais teriam mais espaços para atacar. De qualquer forma, o treinador, seja com um pensamento focado no ataque ou com uma ideia mais cautelosa, terá diferentes opções para moldar a estratégia contra o Galo.