As primeiras intervenções no terreno onde será o estádio do Galo já foram iniciadas

As obras do estádio alvinegro se iniciaram em 2020, mas correm risco de serem paradas, segundo Rafael Menin, vice-presidente do Conselho Deliberativo do Atlético-MG-(Reprodução Twitter Arena MRV)

Valinor Conteúdo
20/07/2020
20:51
Belo Horizonte

O ambiente político no Atlético-MG está tenso e intenso. Dois grupos, do ex-presidente Alexandre Kalil, e do atual presidente, Sérgio Sette Câmara, têm feito debates acalourados no clube por disputas de espaço e poder, principalmente visando as eleições de dezembro, quando um novo presidente será escolhido.

E, em meio aos conflitos internos do Galo, um sonho em comum a todos, a Arena MRV, pode se tornar um pesadelo para o clube. De acordo com o vice-presidente do Conselho Deliberativo e presidente da MRV Engenharia, Rafael Menin, o Atlético-MG poderá paralisar as obras do seu estádio, pois estaria com dificuldades de conseguir o alvará do estádio na Prefeitura de Belo Horizonte, comandada por Kalil.

Menin afirmou que se o Atlético não conseguir o documento em 60 dias, os trabalhos da MRV poderão atrasar em até seis meses. Caso não consiga o documento em até 60 dias, as obras poderão atrasar em seis meses.

-A prefeitura tem demandado um esforço adicional, a cada dia uma demanda nova. Parece haver também algum tipo de desencontro de informação entre os departamentos. É uma pena, porque em breve acho que vamos poder começar a fundação- disse Menin em entrevista à Rádio Itatiaia.

A liberação do alvará em 60 dias evitará, de acordo com Rafael Menin, a pausa na construção até o fim do período chuvoso, que em Minas vai de até março do ano que vem.

-Isso(a parada das obras) traria um prejuízo grande para o clube e uma postergação no prazo final de construção de aproximadamente seis meses. Tenho segurança de que nós vamos conseguir endereçar com a prefeitura essas últimas pendências para não ter que parar a obra-disse.

Imediatamente, o prefeito de BH e ex-presidente do Atlético, Alexandre Kalil, se posicionou, rebatendo a fala de Rafael Menin. Kalil usou sua conta no Twitter para dar sua versão do caso. rebateu a fala de Menin através de uma publicação no Twitter.

-Documentos são documentos, mesmo se a arena for do Atlético, do Cruzeiro ou do América, e estão todos à disposição. Não coloquem o prefeito, eleito para cuidar da cidade inteira, nessa briga-postou o prefeito da capital mineira na rede social.

Apesar da posição oficial como prefeito, Kalil aproveitou para “alfinetar” o presidente da MRV Engenharia, afirmando que nunca foi procurado por ele para falar dessa demanda do clube.

-P.S.: Esse garoto nunca foi tratar de arena comigo- falou Kalil em outra postagem.

O atrito interno no Galo vem tendo “elevação de temperatura” nos últimos dias, principalmente pela posição do presidente do Conselho, Castellar Modesto Guimarães Filho, em adiar a votação das contas de 2019 do clube. Se não houve a aprovação do balanço, o Atlético pode ser punido até com expulsão do Profut, programa do Governo Federal para refinanciar impostos atrasados.

O vice do Conselho, Rafael Menin, convocou os conselheiros para votar o balanço, o que intensificou os atritos nas trincheiras atleticanas. Castellar e Sette Câmara devem ser rivais nas eleições do clube, no fim do ano, o que explicaria o momento de instabilidade política, que pode refletir diretamente no dia a dia da instituição.