Marrony e Dylan foram abordados por torcedores de uma organizada em meio a uma festa com aglomeração em uma boate na Grande BH

Marrony e Dylan foram abordados por torcedores de uma organizada em meio a uma festa com aglomeração em uma boate na Grande BH (Reprodução/Instagram Galoucura)

Thaís Lopes -Valinor Conteúdo
30/11/2020
02:49
Belo Horizonte

Após um surto de COVID-19 que afetou quase trinta profissionais do Atlético-MG nos últimos dias, uma situação certamente não irá pegar bem no clube e causará polêmica com os torcedores. Dois jogadores do alvinegros, o atacante Marrony e meia Dylan Borrero foram flagrados em uma festa com aglomeração na madrugada desta segunda-feira, 30 de novembro.

Os jogadores estavam na boate La Revoli Eventos, localizada no bairro Ressaca, em Contagem, na Região Metropolitana de BH. Os dois atletas do Galo foram reconhecidos por torcedores na porta da casa noturna, A notícia se espalhou rapidamente e membros de principal organizada do clube foram ao local tirar satisfação com os jogadores. Veja o vídeo abaixo.
Houve um princípio de confusão, com torcedores se revoltando com Marrony e Borrero, sendo preciso intervenção da polícia para acalmar os ânimos.



O presidente da Galoucura explicou porque foi até o local cobrar dos jogadores do Atlético, apesar de ser um dia de folga dos atletas. O Galo só volta a campo no domingo, 6 de dezembro, contra o Internacional, no Mineirão, pela 24ª rodada do Brasileiro.

Marrony e Borrero estão sendo utilizados com frequência no time, principalmente após 11 jogadores do elenco ficarem em isolamento pelo contágio por Covid-19.

-Estamos vivendo uma pandemia a nível mundial e o Galo está com um surto coletivo que preocupa todos nós. Sabemos sim, que os jogadores têm sua vida social fora dos campos, mas este não é o momento. Estamos vivendo um problema sério, uma doença que mata e que está prejudicando o time. Nós apoiamos sempre, e por isso temos o direito de cobrar sim. É muita falta de responsabilidade. É inaceitável - disse Josimar Júnior, que estava no local em que se encontravam os jogadores atleticanos.


Entre atletas, comissão técnica e profissionais do clube, o Atlético-MG já registrou quase 30 casos de contaminação pelo novo coronavírus.