Fortaleza x Atlético-MG - Diego Costa

Diego chegou e, mesmo jogando pouco, foi muito útil na campanha do bicampeonato Brasileiro do Galo-(Foto: Pedro Souza / Atlético)

Marcellus Madureira-Valinor Conteúdo
10/12/2021
14:54
Belo Horizonte

Em Belo Horizonte foram 50 anos sem um título Brasileiro. Em Madrid eram 18. E entre as duas situações um nome: Diego Costa. Um grande time é feito de grandes jogadores. E no Atlético não é diferente. Desde o goleiro até o atacante, a equipe mineira montou um elenco para vencer o Brasil. E uma das peças principais conhece o caminho para acabar com grandes jejuns de títulos.

Diego Costa esteve nos elencos de Atlético-MG e Atlético de Madrid. E a grande comparação entre os xarás é que viviam grandes jejuns pela taça nacional.

O time de Madrid não ganhava o torneio nacional há 18 anos. Mas quando teve Diego Costa em grande fase no comando do ataque, quebrou o jejum na competição na temporada 2013/2014. O camisa 9, inclusive, foi o grande goleador da agremiação, com 27 gols marcados. Ele perdeu apenas para dois jogadores: Cristiano Ronaldo, com 31 gols, e Messi, com 28.

No Galo, Diego Costa chegou com a temporada em andamento e ainda precisou de tempo para recuperar-se fisicamente. Ainda assim, participou de 18 jogos e marcou cinco gols e deu uma assistência.

Situações muito comemoradas pelo jogador. Ele, porém, não garantiu permanência no Galo. Após a confirmação da taça para Belo Horizonte, em entrevista, o jogador disse que "pode ficar, mas pode sair" do Atlético para a próxima temporada. O L!, no entanto, apurou que a situação não preocupa a diretoria atleticana.