Bernardinho

Bernardinho (Foto: Divulgação/CBV)

Daniel Bortoletto
04/09/2016
13:17
Brasília (DF)

Ao fim da segunda partida entre Brasil x Portugal, desta vez em Brasília, Bernardinho voltou a falar sobre o futuro. Seguir ou não como técnico da Seleção? A decisão, segundo ele, ainda não está tomada. A certeza é que nesta segunda-feira estará comandando o treinamento do Rexona, no Rio de Janeiro. Em diversos momentos da entrevista ele admite que já faz planos para o próximo ciclo olímpico. Na resposta seguinte, porém, volta a colocar a permanência em xeque.

- Já estou pensando em várias coisas. Falei com os jogadores. Qual o novo grupo? Como manter o novo ciclo de forma competitiva, brigando por medalhas em todas as competições? Quem é o grupo? Já tenho uma lista elaborada, um plano de ação - disse ele, para logo depois voltar a deixar a continuidade em aberto. - Não estou mais perto nem de lá, nem de cá. Quero ouvir o silêncio, ou seja, como é que você realmente se sente, estando um pouco aqui, um pouco ali? É um processo que ocupou muito tempo da minha vida. Como é tirar isso totalmente? Não sei a reação. Não sei viver sem isso. Será que vou viver feliz ou entrar em depressão? O dilema é bastante claro.

O técnico admite também propostas do exterior. Mas revela não ter vontade de deixar o Brasil:

- Eu tenho uns convites de fora, mas o que falaram foi excessivo. Cheque em branco? Japonês é um povo extremamente responsável. Não existe cheque em branco. Existe valorização pelo seu valor. Houve uma sondagem e algumas propostas formais. Querem que eu vá para o exterior. Mas não tenho nenhuma vontade disso. Eu vejo amigos indo lá para fora. E isso me incomoda muito. Muitas pessoas bacanas e do bem que podem contribuir estão indo embora. Se todos começarem a ir embora, vão entregar as chaves para pessoas que não deveriam tomar conta da nossa casa.

Renan Dal Zotto, diretor de seleções da CBV, disse que aguarda uma resposta de Bernardinho. Reforçou que o projeto da entidade é manter não apenas o comandante da Seleção masculina, mas também José Roberto Guimarães, treinador da feminina.

- Queremos que os dois fiquem. Está nas mãos deles - disse Renan, que espera ainda nesta semana oficializar o futuro dos treinadores.