Eurico Miranda - Vasco x Madureira, Campeonato Carioca (Foto: Paulo Sergio/LANCE!Press)

Eurico Miranda já expulsou três sócios e suspendeu outros quatro em 2015 (Foto: Paulo Sergio/LANCE!Press)

João Matheus Ferreira
18/11/2015
14:53
Rio de Janeiro (RJ)

Na véspera do decisivo jogo contra o Corinthians, nesta quinta-feira, pelo Campeonato Brasileiro, o Vasco convive com mais um episódio conturbado na política do clube. O conselheiro da oposição, Fábio Muniz, foi notificado pelo presidente do Conselho Deliberativo, Luis Fernandes, para apresentar uma defesa por conta de ofensas ao presidente Eurico Miranda em uma rede social. Fábio tem até o dia 27 para se defender. Posteriormente, uma reunião no Conselho será marcada para decidir qual punição será dada a ele.

Segundo a carta assinada por Luis Fernandes, Fábio Muniz feriu, entre outros, o artigo 35 (parágrafo 1º, inciso I) do estatuto do Vasco. Assim, a pena pode ser advertência, suspensão por até seis meses ou até mesmo uma eliminação do quadro. Para isso, pelo menos 151 membros (mais da metade) precisam ser favoráveis. A situação, no entanto, tem 120 conselheiros eleitos e mais da metade dos Beneméritos, o que dificulta a situação de Fábio Muniz. O texto escrito por ele, que revoltou conselheiros da situação, está aqui:

"Canalhas! Vocês que pagaram mensalidades para amigos e parentes votarem nisso, vocês são canalhas! E aos inocentes, foram poucos, é verdade, que votaram nesse desgraçado, moribundo, incompetente, doente, quebrado financeiramente, achando que ele poderia dar jeito, façam uma p... de uma vaquinha e comprem passagem para a Sibéria, banco de idiotas!"

Como Fábio Muniz é conselheiro, e não apenas associado, a diretoria não pôde expulsá-lo diretamente, como fez com Davidson Mattos, Eduardo Wimmer e Walter Brito Lima. O último, porém, conseguiu reversão no próprio Conselho de Justiça do clube, quando apresentou sua defesa. Outros quatro foram suspensos por seis meses, entre eles o advogado Alan Belaciano, subscritor da chapa "Sempre Vasco", de Julio Brant, na eleição do ano passado. Belaciano, porém, conseguiu, através da Justiça Comum, retornar ao quadro social.

Segundo o LANCE! apurou, para evitar novas derrotas na Justiça, a diretoria deve adotar o procedimento feito com Fábio Muniz para todos os casos do tipo daqui para frente. Inicialmente, apenas notificar o associado ou conselheiro. Em seguida, tomar a decisão sobre a punição. Antes disso, o sócio era expulso para depois apresentar a defesa no Conselho de Justiça do clube, algo que abre brecha para conseguir uma vitória na Justiça Comum, como fez Belaciano.

A reportagem entrou em contato com Fábio Muniz, mas ele preferiu se manifestar somente depois que apresentar a resposta, até dia 27. O presidente do Conselho, Luis Fernandes, informou que recebeu uma solicitação de punição por um número expressivo de conselheiros e, portanto, adotou o procedimento de notificá-lo para fazer a defesa. Após isso, o tema deve ser levado ao pleno do Conselho para deliberação.

Atualizada às 17h20