Riascos - Vasco x Flamengo (Foto: Andre Borges/AGIF)

Riascos não sabe se fica no Vasco (Foto: Andre Borges/AGIF)

Matheus Babo
08/04/2016
07:00
Rio de Janeiro (RJ)

No futebol, muitas vezes o querer não é poder. E assim vem se desenhando a situação do atacante Riascos, artilheiro do Vasco nesta temporada, com sete gols. O contrato do jogador com o Cruz-Maltino vai até a metade do próximo mês (15 de maio) e a vontade do jogador é permanecer em São Januário, mas a situação não é tão simples. Para continuar na Colina, o colombiano depende de um acerto entre o Vasco e o Cruzeiro, que ainda não chegaram a um acordo.

Contratado pelo clube mineiro em janeiro de 2015, Riascos não ser firmou na Toca da Raposa e chegou ao Vasco em maio do mesmo ano. No Cruz-Maltino viveu altos e baixos na temporada passada e iniciou este ano como titular, marcando gols e conquistando a torcida. Por conta do sucesso dentro de campo, a diretoria até diminuiu as buscas por um novo camisa 9, que era um desejo do técnico Jorginho desde a reta final do Brasileirão.


Por ter feito um investimento no jogador, o objetivo do Cruzeiro nesta negociação é vendê-lo. Seu vínculo com os mineiros vai até janeiro de 2018, mas as propostas por Riascos ainda não chegaram. O Vasco tem a prioridade de compra no negócio, mas o valor fixado em 2 milhões de dólares (cerca de R$ 7,5 milhões) é considerado fora dos padrões pela diretoria cruz-maltina. Empolgado com a boa fase e bem adaptado ao Rio de Janeiro, Riascos já demonstrou a vontade de ficar.


Vasco vai esperar

A estratégia da diretoria cruz-maltina nesta negociação é clara. O clube vai esperar até o último momento para ver se o Cruzeiro recebe alguma proposta pelo colombiano. Caso não chegue nada, o Vasco vai buscar uma prorrogação do empréstimo. Caso isso aconteça, a tendência é de que o Vasco tenha que pagar mais do gasta atualmente com o jogador.

No primeiro empréstimo, há um ano, ficou acordado que o Vasco pagaria 30% e o Cruzeiro arcaria com 70% dos vencimentos mensais do jogador. Como não recebeu nenhuma oferta para vender o jogador, a permanência na Colina se torna possível.